Papo de Mãe
Papo de Mãe
» EMPREENDEDORISMO MATERNO

Empresária e mãe de dois, Isabela Matte fala sobre a rotina sem licença-maternidade

A influenciadora digital Isabela Matte, de 22 anos, conversou com o Papo de Mãe sobre os desafios de ser uma jovem mãe empreendedora

Ana Beatriz Gonçalves* Publicado em 16/06/2021, às 17h20

Isabella Matte com o filho Leo
Isabella Matte com o filho Leo - Foto: Luan Assis

Aos 22 anos, ela é dona da sua própria loja on-line de roupas, além de trabalhar como influenciadora, especialista em marketing digital, e ser mãe do Leo, de 2 anos, e da Maya, de um mês e meio. Isabela Matte é seguida por mais de 600 mil pessoas nas redes sociais e já encabeçou a lista da Forbes Under 30 em 2019 (lista da revista Forbes com personalidades com menos de 30 anos). Agora, recém-mãe pela segunda vez, ela conta como é lidar com o puerpério e, ao mesmo tempo, tocar os próprios negócios.

"No meu caso, eu não tive escolha", comenta sobre a licença-maternidade. "Quando você tem empresa e você é a sua própria chefe, não dá para simplesmente não trabalhar. A licença é muito importante quando você tem um trabalho presencial, e tem de fato esse direito por lei. No meu caso tive que conciliar, mas não troco por nada", afirma ao telefone para o Papo de Mãe.

Ser "precoce" para Isabela nunca foi um problema. Aos 12 anos ela decidiu abrir o próprio negócio com a ajuda dos pais, e aos 14, já colhia os frutos do seu trabalho – sempre conciliando com os estudos e sob supervisão da mãe, que hoje é sua sócia. Segundo ela, essa experiência desde cedo também adiantou, mesmo que sem querer, os planos para a maternidade, algo que sempre foi o seu sonho.

"Eu sabia que seria mãe, mas eu nunca tive o sonho de casar, não era algo que estava na minha lista. Mas acabou que aconteceu, e no fim eu casei com uma pessoa que eu amo, que é o meu melhor amigo, e tivemos filhos. Só que eu não sabia que seria tão nova. Mas acho que a minha vida toda me preparei para lidar com isso. Comecei a trabalhar muito nova, ter muita responsabilidade, na adolescência eu já era uma adultinha", brinca.

isabela matte
Isabela Matte empreende há 10 anos (Foto: Luan Assis/Divulgação)

Leia também

Leo, seu primeiro filho, foi sem planejamento. Ela conta que na época em que o pequeno nasceu, foi mais difícil de conciliar a rotina. "A gente não planejou, ele só decidiu que ele iria vir, por isso tive que me adaptar. Eu trabalhava em escritório, era do ladinho da minha casa, mas eu ia lá todo dia. Acabei colocando um bercinho pra ele ficar comigo, mas ainda assim era mais desconfortável do que ficar em casa", explica.

Agora com Maya, ela vive algo completamente diferente. Por causa da pandemia, ela trouxe o escritório para dentro de casa, e também precisa dividir a atenção dos pequenos com as demandas do serviço. "Eu tenho um conforto bem maior, apesar de ser um desafio ter dois [risos]. Mas eu consigo ficar na minha cama enquanto amamento ela, se eu estivesse no escritório, provavelmente faria isso em uma cadeira não tão confortável", afirma.

Além de atuar como CEO, Isabela Matte também ministra cursos on-line sobre marketing e redes sociais. Assim que deu à luz Maya, ela conta que passou por uma situação que saiu do planejado, ou como gostaria que fosse.

"Na semana em que ela nasceu eu tinha um lançamento do meu curso que estava pronto há bastante tempo, mas precisava divulgar.  A Maya chegou em uma quarta, e o lançamento aconteceu na outra segunda. Então ela tinha acabado de nascer, mas tive que continuar falando sobre o trabalho. Não era o que eu gostaria, mas eu precisava", compartilha.

No momento, Isabela chegou a ser questionada nas redes sociais por alguns seguidores sobre a "atenção" (ou a falta de) que estava dando à filha recém-nascida.  "As pessoas falavam: 'Isabela para de trabalhar e vai descansar, curtir a sua filha'. Mas esse trabalhar que elas viam era eu postando Stories no Instagram, que pra mim é algo muito natural. Estava tudo tranquilo pra mim, mas a crítica era mais dos outros", conta.

Devido à exposição nas redes, Isabela diz que lida bem com as opiniões alheias e também que se garante como mãe. "Tenho total consciência da atenção que eu dou para os meus filhos, da presença que é o mais importante de tudo. Eu não preciso me ausentar para trabalhar, então consigo fazer isso amamentando, por exemplo, e se o Leo aparece consigo dar uma atençãozinha, isso é muito maravilhoso do meu trabalho."

Isa com os filhos, Leo e Maya (Foto: Instagram/Reprodução)

Mais segura e com menos 'medos bobos'

Para a empresária, o maternar da filha recém-nascida tem sido pra lá de tranquilo. Isso porque ela diz que se sente mais confiante e também mais experiente. "O que eu sofria com medos bobos com o Leo, como trocar fralda, com ela eu não tenho. Por isso acaba sendo mais tranquilo, sabe? Eu tive um pouco de queda hormonal, mas não cheguei a ter depressão pós-parto, tive apenas um baby blues (tristeza) que foi tranquilo, então eu acho que está indo muito melhor do que o esperado, do que eu achei que seria", relata.

Em contrapartida, a pandemia fez com que Isabela experimentasse outras sensações ao gestar e parir. Apesar de toda a incerteza do momento, ela diz que o medo aflorou próximo ao fim da gestação. "Tinha medo de pegar Covid e ter complicação. Ainda está sendo um momento delicado, estamos indo para a terceira onda, e com criança pequena é sempre uma preocupação. Mas estou tentando ficar um pouco mais relaxada de entender que o que eu posso fazer, estou fazendo."

Agora mãe de dois, ela também revela como tem lidado com a divisão de tempo e de atenção, já que os dois filhos são pequenos. "Eu tenho muita consciência do quanto cada um deles exige de mim e em qual momento. Eu tento substituir os momentos que eu tinha com o Leo por outras coisas", explica. "A Maya precisa muito de mim agora, é uma necessidade fisiológica, mas eu também entendo que o banho, por exemplo, é algo que outra pessoa pode fazer e enquanto isso eu posso ficar com o Leo."

Com uma rede de apoio consistente, Isabela ressalta a importância do auxílio de quem está próximo à mãe. Para ela, é o que mais faz diferença. "Seja alguém da família ou de fora, que passe pela mesma coisa, já é uma ajuda", compartilha.

"Eu sempre quis ser mãe", contou a empresária. (Foto: Instagram/Reprodução)

O 'segredo' para conciliar toda a demanda

A empreendedora de 22 anos afirma ter começado seu negócio como uma brincadeira, uma vontade de criar. Para ela, esse foi o diferencial para o contato com o trabalho desde cedo ter sido algo positivo e sem pressão. "Por mais que eu tivesse noção da responsabilidade, não era um peso como é hoje, que tenho que pagar contas. Naquela época, eu fazia porque eu gostava, tanto que o começo foi bem despretensioso", explica ela, que teve o dinheiro administrado pelos pais quando era jovem.

Vira e mexe a influenciadora é questionada sobre como consegue conciliar a demanda da maternidade com a vida profissional, mas para ela, é assim desde antes de ser mãe. "A vida inteira conciliei as coisas, com filhos é mais difícil do que com estudos, mas sempre tive que dar esse jeito", revela.

Às vezes Isabela brinca ao dizer que sente curiosidade em saber como é apenas trabalhar, sem outras demandas. "Eu estudava e trabalhava, aí depois fui para a faculdade (de marketing) e também trabalhava. Engravidei já na faculdade, e quando saí foi direto trabalho e filho." Mas apesar disso, ela ressalta: é preciso de uma rede de apoio consistente. A empresária explica que não importa de onde venha essa ajuda, seja da família ou de fora, esse é o diferencial.

"No curso que eu vendo acontece muito essa troca. Os alunos podem compartilhar experiências e se ajudam em um grupo de Facebook. Nunca parei para pensar em criar um produto para mães empreendedoras, mas é uma boa. Tem coisas que a gente aprende como mãe, que ajudam com a produtividade, que de repente podem ajudar outras mães", reflete.

Apaixonada pelas suas duas facetas, mãe e empreendedora, Isabela Matte diz que não pretende parar em dois filhos. Ela conta que sempre quis ter três filhos, mas que agora, com a chegada da Maya, vai esperar uns 4 ou 5 anos para aumentar a família. "Imagina, ter três bebês é loucura! [risos]".

Isabela ainda quer dar um irmão ou irmã para Leo e Maya. (Foto: Instagram/Reprodução)

*Ana Beatriz Gonçalves é jornalista e repórter do Papo de Mãe

DestaquesHomeMercado de TrabalhoNotíciasPós-partoReportagemVocê no Papo