Papo de Mãe
Papo de Mãe
» HIGIENE BUCAL

Saúde Bucal: bons hábitos precisam acontecer já na infância

7 dicas para ajudar na prevenção de problemas de saúde bucal das crianças

Nayara Freitas* Publicado em 10/05/2022, às 10h21

Hábitos saudáveis de higiene bucal podem prevenir diversas doenças.
Hábitos saudáveis de higiene bucal podem prevenir diversas doenças.

A fase mais importante para a prevenção de problemas bucais ocorre durante a infância e adolescência, devido a transformação e formação permanente da arcada dentária, além de bons hábitos saudáveis que, quando bem realizados nesta fase, contribuem para a formação de adultos com maior consciência sobre os cuidados bucais necessários para uma melhor qualidade de vida.

Hábitos saudáveis de higiene bucal, ainda na infância, podem prevenir diversas doenças. Isso porque, uma vez que a criança entende a importância dos cuidados com os dentes, ela realizará as rotinas de higienização com mais facilidade, evitando assim cáries, inflamações e demais doenças bucais.

A saúde bucal das crianças e dos adolescentes nem sempre é uma prioridade para as famílias e por isso, mesmo na infância, é bom ficar de olho em alguns sinais para evitar que seu filho tenha algum dos problemas dentários mais comuns desta fase.

Veja também

Sempre digo que a melhor forma de evitar problemas de saúde bucal é a prevenção. Por isso, listei algumas dicas aqui para ajudar famílias a entender e atender as necessidades das crianças quando o tema é dente.

  1. Escova. Escolha uma escova indicada para sua criança ou adolescente, algumas com personagens estimulam mais. Faça uso desse artifício se possível. A indicação da faixa etária estabelecida pelos fabricantes pode e deve ser obedecida. Prefira sempre escova macia, pequena, com cabeça arredondada e de cabo simples.

  1. Creme dental. A pasta de dente com flúor e com sabor da preferência da criança é sempre a mais indicada. A quantidade segura para escovação é o equivalente a um grão cru de arroz sobre a cerda da escova. Importante: escovar a cada ingestão de doces ricos em açúcar, entre as refeições, ao acordar e antes de dormir, que é a principal delas.

  1. Fio dental. O uso desse artifício pode começar ao nascer dos primeiros “dentinhos”. Isso mesmo! Engana-se quem acha que fio dental não é para crianças pequenas. Hoje, o mercado disponibiliza produtos com suporte para o fio, o que facilita a imersão entre os dentes das crianças. Uma ótima estratégia é passar o fio entre os dentinhos sujos e mostrar para a criança que a sujeira está lá escondidinha que precisa ser removida.

  1. Primeira consulta ao dentista. Se eu posso indicar uma mãe, sempre falo para ir ao dentista já no início dos primeiros meses do bebê. Isso porque, nessa fase, é possível avaliar a mucosa oral, os freios orais e a língua. Já a segunda visita, ao nascer dos primeiros dentes, é possível ensinar técnicas de limpeza, orientações relacionadas ao desconforto do nascimento de novos dentes e cuidados em situações de queda, por exemplo.

  1. Bruxismo em criança. Sim, existe e é muito comum! As causas do bruxismo são de origem do sistema nervoso central, então, se a criança começa a fazer barulhos de ranger os dentes, projetar a mandíbula para frente ou mordiscar lábios, o responsável deve se atentar à rotina da criança e avaliar se alguma coisa está sobrecarregando ou até tirando o sono da criança. O bruxismo infantil, geralmente, está associado com problemas respiratórios, refluxo gástrico, ansiedade, estresse, TDAH, entre outros. Então, deve-se primeiro identificar a causa do bruxismo e em seguida procurar um dentista para propor o tratamento indicado para cada tipo de criança. Algumas crianças necessitam de tratamento com fonoaudiólogos, psicólogos e ainda usam aparelhos para dormir. Mas cada caso, um caso.

  1. Aparelho ortodôntico. O mais indicado é que toda criança com 5 anos de idade completos faça uma avaliação com dentista ortopedista. Os aparelhos usados em fase de crescimento são aparelhos que corrigem problemas ósseos. Então, se a criança conseguir corrigir um problema antes da troca dos dentes, os dentes permanentes terão mais espaço para se ajustarem e, muitas vezes, o aparelho fixo é usado apenas para alinhamento e pequenos ajustes, reduzindo e muito o tempo de uso na fase adulta.

  1. Finalmente, seja exemplo para o seu filho! Se a criança vê o adulto escovando os dentes e passando o fio dental todos os dias, ela vai entender que isso é normal e vai criar o hábito. Transforme o momento da escovação em um diversão para as crianças, estando presente, conduzindo e ensinando a escovar todos os dentinhos. Capriche na escovação antes de dormir. Por fim, e não menos importante, nunca ignore uma reclamação da criança em relação aos dentes, mesmo que você não encontre o problema. Caso a criança reclame de hipersensibilidade, dor com quente ou frio, dor com doces e alimentos duros, procure logo imediatamente um especialista.

*Nayara Teixeira Freitas Lucena é formada em odontologia pela FMU, especialista em ortodontia e ortopedia funcional.  Atua em clínica geral, pediatria, ortodontia e ortopedia facial. @dra_nayarafreitas

AdolescentePrimeira InfânciaSaúde