Papo de Mãe
Papo de Mãe
» PARENTALIDADE

A importância do carinho e dos estímulos nos primeiros anos da vida

Bebês e crianças precisam sim de colo, carinho, atenção, afeto e estímulos para crescerem saudáveis e felizes. São os alimentos da alma.

Rodrigo Moraes* Publicado em 09/11/2021, às 12h34

Nara Nogueira e o filho Davi - Foto: arquivo pessoal
Nara Nogueira e o filho Davi - Foto: arquivo pessoal
Oferecido por:


“Quando a mãe ou o adulto de referência alimenta o bebê pela primeira vez, esse primeiro choro se transforma em comunicação. A mãe interpreta, coloca palavras no desconforto do bebê, e o alimenta com leite e afeto. Satisfeita a necessidade, o afeto torna-se uma necessidade de amar vida afora. E assim começa a nossa interação com o mundo”

Com a beleza nas palavras, a psicanalista Anna Mehoudar apresenta a dimensão de uma combinação que é fundamental desde o primeiro segundo de vida do bebê – e que seguirá indispensável ao longo de toda sua formação: estímulo e afeto.

anna
A psicanalista Anna Mehoudar

“O ser humano não sobrevive sem um outro humano de referência. Estímulo e afeto caminham juntos. Quando nasce, o bebê é visto, tocado, cheirado e escutado. Mas o olhar é diferente da visão e do funcionamento do órgão. O olhar se instaura como uma ferramenta da comunicação. Não se trata da maturação da coordenação viso motora, mas de uma dimensão relacional do olhar. O olhar é uma função psíquica. Começamos a existir olhando para os olhos de quem nos olha”, diz a psicanalista, fundadora do Grupo de Apoio à Maternidade e Paternidade (Gamp21).

Assista ao Papo de Mãe sobre primeira infância

A importância dos estímulos afetivos para o desenvolvimento da criança, no entanto, ainda não é fato reconhecido por todos. Há alguns anos, uma pesquisa realizada pela Fundação Maria Cecília Souto Vidigal em parceria com o Ibope Inteligência mostrou que a relevância atribuída a eles varia imensamente, a depender da faixa de escolaridade e renda.

Como comenta, no relatório final da pesquisa, a enfermeira especialista em saúde pública Anna Maria Chiesa: “é interessante notar que aspectos que são de fato relevantes, como carinho/afeto e rotina, são mais percebidos pelos responsáveis de maior escolaridade e renda”, uma indicação de que, uma vez asseguradas à criança as condições básicas de saúde e nutrição, as pessoas passem a ter maior percepção de outros elementos igualmente essenciais ao desenvolvimento pleno.

Para Nara Taccari Nogueira, porém, nunca houve dúvidas sobre a importância em dedicar a Davi, hoje com 6 anos, afeto e estímulos constantes. Psicóloga de formação, assim como Anna Mehoudar, ela conta que o desenvolvimento das crianças é um interesse que vem desde a faculdade, e que passou a colocar em prática antes mesmo do nascimento do único filho, ainda durante a gravidez.

Vivendo em Santos, no litoral paulista, ela conta que as brincadeiras merecem uma atenção constante por parte dela e do marido, o corretor de imóveis Christian Borges.

Juntos, eles até criaram uma estratégia especial para isso. “Durante a semana, meu marido fica mais com a parte do correr e pular, e eu tento trazer Davi para um universo lúdico, com pintura, leitura e jogos. Já nos finais de semana, saímos todos para atividades como correr na praia, andar de bicicleta e skate”.

A psicanalista Anna Mehoudar diz que essa disposição para dedicar um tempo exclusivo à criança é fundamental e traz grandes benefícios – inclusive para os adultos. “Precisamos escutar as crianças que não se satisfazem com os adultos pela metade... Metade com os olhos no celular, por exemplo. Elas pedem contato genuíno. E uma criança alimentada de presença e afeto é mais segura, encara desafios, brinca e aprende, comunica seu desconforto”.

Nara recorda um episódio em que percebeu que Davi estava com muitos medos. Atenta, notou que apenas as conversas com o filho não tinham resolvido a questão. Resolveu então comprar um livro infantil (Caraminholas na cachola, de Paula Furtado, Coleção Bem-Me-Quer), o que ajudou Davi a lidar melhor com a situação.

Eis uma excelente demonstração de escuta, afeto e estímulo: notar a demanda, acolhê-la e conduzir a criança através das novidades que se apresentam no dia a dia, ainda que em meio a um cotidiano sempre tão apressado.

Um bom exemplo disso foi o primeiro contato da reportagem com Nara. Combinada uma conversa mais detalhada para o dia seguinte, a mãe se despediu dizendo precisar correr, pois estava chegando em casa e, depois de ter passado o dia todo fora, ia jogar videogame com Davi.

Veja também

Tema polêmico para muita gente, os eletrônicos não são um problema para Mehoudar. “Sabemos que os eletrônicos provocam comportamentos adictos em adultos e crianças, mas não dá para uma criança ficar à margem dos eletrônicos, por fora da cultura. Brincar com os eletrônicos deve caber na rotina da criança e do adulto também”, pontua a psicanalista.

Nara conta que essa é também uma grande preocupação em casa, tanto que na rotina da família existe uma regra: nas saídas para almoçar fora, tablets e celulares estão vetados.

Já durante a semana, ainda que nem sempre funcione, o objetivo é que os três estejam juntos no jantar. “É quando aproveitarmos para conversar e contar como foi o dia um do outro”, conta Nara. Ela e o filho também gostam de preparar alimentos juntos, como pão de queijo de batata doce.  

Anna Mehoudar reforça a importância de momentos em que a atenção dos pais está inteiramente voltada aos filhos. “Precisamos lembrar que criança gosta de ser levada a sério, gosta de conversar, e ela vai construir a sua compreensão do mundo dependendo da sua idade”.

Entre as novidades dos tempos atuais, ela destaca também a importância da mudança de comportamento de muitos pais, como é o caso de Christian Borges, pai de Davi.

Por questões sócio-culturais, o afeto era protagonizado pela mulher. Mas isso vem mudando, alerta a psicanalista, para quem “os homens estão diminuindo distâncias afetivas com uma inteligência surpreendente e todos temos a ganhar quando o afeto, o cuidar, o educar e o olhar para o outro se manifestam para delimitar espaços e proximidades”.

Melhor para Davi e para todas as crianças que têm a sorte de contar com pais que os enchem de afeito e estímulos.

*Rodrigo Moraes é jornalista

**O Programa Nestlé por Crianças Mais Saudáveis é uma iniciativa global da Nestlé, que assumiu o compromisso de ajudar 50 milhões de crianças a serem mais saudáveis até 2030 no mundo todo. Desde 1999 foram beneficiadas mais de 3 milhões de crianças no Brasil.

Com o lema “muda que elas mudam”, a partir de uma plataforma de conteúdo, o programa estimula famílias a adotarem hábitos mais saudáveis e ainda promove um prêmio nacional que ajuda a transformar a realidade de 10 escolas públicas por ano com reformas e mentorias pedagógicas.

Conheça mais no site do programa

Nestlé por crianças mais saudáveis