Papo de Mãe
Papo de Mãe
» SAÚDE DA MULHER

Vulvovaginite na infância: o que é e como tratar

Meninas pequenas podem apresentar corrimentos e a ginecologista e obstetra Ligia Santos fala também sobre prevenção e como tratar

Mariana Kotscho* Publicado em 28/06/2021, às 15h20

Dra.Ligia Santos, colunista do Papo de Mãe
Dra.Ligia Santos, colunista do Papo de Mãe

A vulvovaginite é o corrimento que atinge mulheres, e pode acontecer em crianças pequenas e até em recém-nascidas. Muitas vezes pais e mães chegam a procurar ginecologistas por isso.

Logo ao nascer, a bebê pode ter uma secreção saindo da vagina, é normal, e se dá por causa dos hormônios maternos.

A ginecologista e obstetra Ligia Santos explica que conforme a criança cresce, pode acontecer a vulvovaginite. Normalmente a criança tem dor, coceira e secreção amarelada ou esverdeada com odor forte e pode até ocorrer sangramento.

Veja também

"Normalmente o que provoca este quadro é a higiene inadequada da menina", diz a Dra. Ligia. Lembrar de limpar sempre a menina da frente para trás.

É comum também a vulvovaginete acontecer após infecção urinária ou intestinal, e até depois de infecção das vias aéreas.

Uso de produtos como determinados sabonetes também pode irritar a região. Crianças precisam de produtos hipoalergêncios ou neutros. A mãozinha suja é outro fator de risco, principalmente as unhas.

Na maioria dos casos, basta o exame clínico para saber as causas. Em 70% dos casos são bactérias que vivem na vagina. Em 30% pode dar um "agente específico" e dependendo da bactéria a médica pode até constatar um abuso sexual.

O tratamento é simples, normalmente com uso de medicamentos tópicos ou via oral. Em casos mais complicados, com feridas (mais raros também), o tratamento é mais complexo.

Por fim mais algumas dicas: crianças devem usar calcinhas de algodão e confortáveis, não podem ser apertadas. "E deve-se controlar o consumo de doces, pois o excesso de açucar também pode provocar vulvovaginite", alerta a médica.

Assista ao vídeo da Dra. Ligia Santos sobre vulvovaginite

*Mariana Kotscho é jornalista

ColunistasDra.Ligia Santos