Papo de Mãe
Papo de Mãe

Dia Internacional da Mulher: Relatos

A maternidade me fez olhar para dentro e descobrir a minha real vocação.

Roberta Manreza Publicado em 08/03/2021, às 00h00 - Atualizado às 13h26

None
8 de março de 2021


“Sempre sonhei em ser mãe. Adorava brincar de boneca e sempre me imaginava nessa função. A maternidade me fez olhar para dentro e descobrir a minha real vocação”.

Por Cinthia Calsinski*


Como sou enfermeira, confesso que tirei de letra os cuidados com meu recém-nascido, o difícil pra mim era ficar em casa. Dia e noite, noite e dia… Procurando o que fazer sem ter que deixar meu bebê em casa, encontrei um grupo de mães que iam juntas ao cinema nas quartas à tarde. Sair de casa me fez muito bem, afinal eu tinha um dia a dia intenso: eu era professora universitária, estava no meio de um doutorado, fora a vida social.
Com os passar das semanas e muitas mães chegando, esse encontro despretensioso virou um projeto muito bacana, o Cinematerna.
O Matheus que hoje tem 13 anos tinha 4 meses na época. Ele havia nascido de cesárea e lá pude conversar com muitas mães que tiveram parto normal e fui fazendo escolhas diferentes para meu próximo parto.
Logo que o Matheus fez um ano engravidei da Bianca, e naquele momento eu fazia doutorado, então tinha algumas tardes livres para ser voluntária do Cinematerna.
Foi ótimo desde o início, conheci muita gente e a cada sessão me envolvia mais com o projeto. Ali eu já sabia que esta seria minha principal área de atuação no futuro: mulheres no puerpério!
Com a gestação da Bianca, hoje com 11 anos eu estudei e me envolvi muito.
Fui apresentada a Humanização do parto, e um mundo novo se abriu pra mim.
O parto foi ótimo, e logo ali resolvi fazer outra especialização, deixando de lado a minha área de atuação e mudando completamente: da cardiologia para a obstetrícia. Fui fazer a pós-graduação de Obstetrícia, e logo que terminei comecei a trabalhar com o preparo para o parto normal e a consultoria de amamentação. O trabalho foi crescendo
rápido e deliciosamente!
Depois de tantos estudos e tantas experiências na Obstetrícia nasceu a Carolina em um parto natural incrível. Hoje ela está com 3 anos, e em seu nascimento e pós-parto eu pude vivenciar mais uma vez meu objeto de estudo: mulheres na gestação e puerpério.
Acredito demais na força das mulheres, juntas, trocando ideias, conceitos, experiências e muito mais! Por ser da área academia e ter estudado tanto, a minha vivência prática de mãe de três me mostrou mais de mim mesma, encontrei meu propósito de vida!
A maternidade me fez olhar para dentro e descobrir a minha real vocação.
Quem diria que quando eu entrei na graduação foi para fazer obstetrícia, sempre pensei nisso! Minha bisavó era “parteira tradicional” no interior do Rio Grande do Sul, sempre acreditei nesta vocação que por algum motivo ficou adormecido durante muitas anos. No fundo acho que meu destino precisava passar pela cardiologia para conhecer meu marido!
Mas após um desvio rápido, estou muito feliz com minha rotina em casa e no trabalho! Consigo conciliar bem ambos, com uma rotina flexível.
Almoço junto, acompanho o dever de casa, passamos períodos juntos no clube para as atividades esportivas, é uma delícia. Me considero uma mãe plena e feliz, super presente!

*Cinthia Calsinski, Enfermeira Obstetra

  • Enfermeira Graduada pela Universidade Federal de São Paulo-Unifesp
  • Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal de São Paulo-Unifesp
  • Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal de São Paulo-Unifesp
  • Enfermeira Obstetra pelo Centro Universitário São Camilo
  • Consultora do Sono Materno-Infantil formada pelo International Maternity e Parenting Institute (IMPI)

http://Facebook.com/cinthiacalsinskienfermeiraobstetra

@cinthia.calsinski

Veja também:

Mitos e verdades sobre amamentação

Baixa produção de leite

Os prós e contras dos tipos de parto




Desafios / DilemasDestaquesDiversosMãe / PaiHomeTrabalho / CarreiraVocê no Papo