Papo de Mãe
Papo de Mãe

Alienação parental sob a ótica de um filho

pmadmin Publicado em 23/05/2012, às 00h00 - Atualizado em 19/09/2014, às 19h33

None
23 de maio de 2012


Oi, pessoal!Recebemos este depoimento de um telespectador, ao qual desde já agradecemos por compartilhar sua história. Em breves palavras, ele relata  como foi ser impedido de conviver com o pai e faz um alerta sobre a importância dos pais não desistirem de lutar por seus filhos. Vale a pena conferir e refletir sobre o assunto…

***“Eu vivi uma história muito parecida com as que foram apresentadas no programa, porém na posição de filho. Desde que nasci, fui impedido de conhecer meu pai. Quando eu perguntava sobre ele, ouvia que ele não era uma boa pessoa, e me contavam algumas histórias negativas.

Quando eu tinha cerca de sete anos, meu pai conseguiu marcar visitas nas quartas-feiras à noite. Lembro-me da euforia que senti ao receber a notícia, e das primeiras vezes que falei com ele ao telefone.

Nas poucas visitas que sucederam, lembro que brincávamos e batíamos fotos, e que era um dia da semana esperado. Vendo as fotos hoje em dia, qualquer um pode constatar que estávamos felizes. Infelizmente, foi um curto período: um dia ele chegou para a visita semanal, foi impedido de subir, e dali em diante não houve mais contato. Na minha casa nunca mais se falou sobre ele, nem mesmo para falar mal. O assunto virou um enorme tabu.

Alguns anos depois, na minha adolescência, quando eu já tinha liberdade de ir e vir, eu pensei várias vezes em procurá-lo, mas nunca tive coragem. Estaria ele novamente casado? Teria constituído outra família? Esta outra família teria conhecimento da minha existência? E se eu causasse um problema familiar reaparecendo “do nada”?

Apenas vinte anos depois do último encontro, quando eu já estava casado e considerando ter filhos, resolvi tentar o reencontro, o que foi feito com ajuda da minha esposa na intermediação. Fui muito bem recebido pela família – que afinal era a minha família -, e pude voltar a ter contato com meu pai, conhecer tios, avós, primos e, especialmente, ganhar um irmão mais novo. Se eu soubesse que as portas sempre estiveram abertas, provavelmente eu teria ido muitos anos antes.

Refletindo sobre esta história toda, embora eu tenha vivido muito bem e tido todas as oportunidades de estudo, lazer e crescimento pessoal, dá uma tristeza saber que eu deixei de aproveitar primos da mesma idade, um irmão e um pai com vários interesses em comum, e que estas oportunidades são irrecuperáveis.

Infelizmente, casos de pais que são proibidos de ver os filhos são comuns, e poucas pessoas têm noção da gravidade deste ato. Os pais vítimas da alienação ficam dependendo de uma boia furada para se sustentarem, pois o Poder Judiciário não dá a menor importância a estes casos e nada faz para reverter a situação, além de custar muito caro financeiramente, ficando tudo ao bel-prazer do outro genitor.

Mesmo assim, a sugestão que eu dou a estes pais é continuar tentando o contato e mostrar sempre que estão de portas abertas, pois um dia esses filhos certamente vão querer ir atrás de sua história. As crianças são muito inteligentes e conseguem perceber as coisas, portanto é importante não ficar se torturando imaginando o que o outro genitor está colocando na cabeça do filho e fazer o possível para reaver o contato, pois é esta ação de ir atrás que vai prevalecer na mente deles, e não as histórias que lhes são contadas.”

***# FICADICA: Leitura

Que bom se todos os pais separados seguissem o conselho deste livro… 

Papai e Mamãe viraram amigos

de Maeve Vida

RESENHA: A proposta da Coleção Vencendo Desafios é lembrar às crianças e aos adultos que com elas convivem a possibilidade de vencer os diversos testes que a vida nos apresenta por meio da única constante existente no Universo: o Amor.
O primeiro livro da Coleção – Papai e Mamãe viraram Amigos – traz um dos temas mais presentes em nossa sociedade, que, apesar de comum, representa um grande desafio para as crianças: a separação dos seus pais. Clique AQUI para adquiri-lo.


Diversos