Papo de Mãe
Papo de Mãe

Papo sobre Transplante

pmadmin Publicado em 27/12/2010, às 00h00 - Atualizado às 14h32

27 de dezembro de 2010


Só no primeiro semestre deste ano, o Brasil realizou mais de 2 mil transplantes de órgãos, o que representa um crescimento de 16,4% em relação ao mesmo período do ano passado. Mas ter um filho na fila para receber um orgão não é nada fácil. A espera pode ser longa e a família precisa ter muita força para não perder a fé e a esperança. No programa deste último domingo (26/12), você conheceu histórias emocionantes, como a de Regina, mãe de 4 filhos e com um deles na fila a espera por um rim. Regina já havia doado, há alguns anos, um rim para o filho, mas o rapaz teve rejeição ao órgão. Conhecemos também a Lucelene, mãe de uma jovem que recebeu transplante de córnea nos dois olhos. Contamos, ainda, com a participação de Maria Inês, que juntamente com seu marido Valdir, fundou a ONG GABRIEL, após ter uma experiência um tanto frustrante em sua vida: após levar a termo uma gestação de um bebê anencéfalo somente com o objetivo de doar os órgãos, o bebê veio a falecer sem que os médicos pudessem aproveitar seus órgãos em razão da falta de previsão legal para estes casos. Estiveram presentes ainda, os médicos Dr. Alfredo Fiorelli da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos e a pediatra Dra. Gilda Porta, especialista em transplante hepático, que nos ajudaram a esclarecer uma série de dúvidas, além de nos alertar sobre a importância da doação de órgãos. Crianças e adolescentes ficam no topo da fila de transplantes para receber órgãos de doadores da mesma faixa etária. Além disto, ganham o direito de se inscrever na lista para um transplante de rim antes de entrar na fase terminal da doença renal crônica e de ter indicação para diálise. Por lei, apenas parentes até o quarto grau e cônjuges podem ser doadores de uma determinada pessoa quando vivos. Entre os órgão que podem ser doados com a pessoa ainda viva estão o rim, o fígado e o pulmão. No caso destes dois últimos, retira-se uma pequena parte do órgão e transplanta-se. Logo, estes órgão regeneram-se tanto no doador quanto no receptor. Também é possível doar enquanto vivo a medula óssea, o sangue do cordão umbilical e o próprio sangue. Gestos simples como estes podem salvar vidas. Por falar em medula óssea, atualmente, o Brasil registra a marca de 1 milhão e setecentos mil doadores. É o terceiro maior banco de dados do gênero no mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos e Alemanha. A chance de se encontrar um doador compatível fora da família é de uma em 100 mil. O Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea – REDOME, coordena a pesquisa de doadores nos bancos brasileiros e estrangeiros. Na reportagem de Rosângela Santos, conhecemos a comovente história de dona Augusta, que aos 68 anos prepara-se para doar um rim ao seu filho, Aílson, portador de uma doença grave. Os filhos de Aílson também são portadores da mesma doença do pai e por isto, hoje, precisam tomar uma série de cuidados para que, no futuro, não venham precisar de um transplante. Apesar das dificuldades, a família é muito unida e não perde a esperança de que tudo ficará bem. O transplante de Aílson está marcado para o dia 02 de fevereiro de 2011  e nós estamos na torcida por ele e pela dona Augusta!!!  Em relação a doação de outros órgãos é importante sempre deixar muito claro que não é necessário que a pessoa faça previamente nenhum documento por escrito. Basta que ela manifeste sua vontade em doar os órgãos à família ainda em vida, e que esta respeite a sua vontade depois de sua morte. Felizmente, as pessoas têm, cada vez mais, consciência da importância da doação de órgãos, o que se reflete em números. Para se ter uma idéia, só no Estado de São Paulo, o número de transplantes de órgãos cresceu 31,6% nos cinco primeiros meses deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. Para a Secretaria de Estado da Saúde, o resultado se deve, principalmente, ao crescimento do número de doadores de órgãos. O Sistema Nacional de Transplantes, do Ministério da Saúde, está presente em 25 Estados brasileiros através das Centrais Estaduais de Transplantes. As Centrais são responsáveis pela notificação, captação e distribuição dos órgãos destinados a transplante. Para mais informações sobre as Centrais, listas de espera e centros médicos, acesse: www.saude.gov.br ou pelo disque transplantes: 0800 61 1997. Enfim, este foi um breve resumo do nosso programa sobre Transplante. Fica aqui o nosso apelo para que cada um sua parte! Doe sangue, faça o cadastro nos centros de doação de medula óssea e não esqueça de avisar a sua família sobre a sua vontade em doar os órgãos depois de sua morte. Lembre-se de que cada órgão de um único corpo pode estar salvando várias vidas!!! Encontre mais informações acessando os seguintes sites:http://www.abto.org.br/http://www.gabriel.org.br/http://www.saude.gov.br/

Obrigada pela audiência e continue acompanhando as postagens do blog no decorrer da semana! Até mais!!!