Papo de Mãe
Papo de Mãe

NÃO FOI ACIDENTE: assinem a petição!!!

pmadmin Publicado em 26/07/2012, às 00h00 - Atualizado em 19/09/2014, às 19h31

None
26 de julho de 2012


Oi, gente!

Estamos chegando ao final da semana, portanto ao final das postagens sobre o tema do programa do último domingo.

Embora o tema tenha sido “Histórias de Superação”, é claro que não poderíamos deixar passar mais uma oportunidade de lembrá-los da importância de lutarmos por uma sociedade mais justa e pelo fim da impunidade.

Para quem ainda não sabe, todos os casos de acidentes no trânsito, envolvendo bebida alcoólica, ou, pelo menos, a maior parte deles, acabam em penas ridículas e que não servem para nada, a não ser para livrarem a cara dos assassinos embriagados…   

É por isto que estamos pedindo que assinem a petição do movimento Não Foi Acidente. Ainda falta um pouco mais da metade das assinaturas necessárias para levar ao Congresso a proposta de uma legislação que puna com mais severidade àqueles que dirigem alcoolizados.

Acessem www.naofoiacidente.org e assinem. Não custa nada. Apenas 2 minutinhos!!! Do jeito que está não dá para ficar, vocês não concordam???

Fiquem agora com o relato da Maria Luiza Hausch, mãe do Alex Hausch, mais uma vítima… Nossos sentimentos a ela, à sua família e a todas as famílias que estão passando por toda esta dor: além da perda, a dor da impunidade…

 ***

“No dia 28/07/2009 perdi meu filho, ALEX HAUSCH, 35 anos, médico anestesiologista, vítima da irresponsabilidade de um motorista. Meu filho e um amigo estavam no interior de um Gol; iam sair do estacionamento de uma hamburgueria, na Av. Hélio Pelegrino, SP, quando foram atingidos por um Citröen C4 em alta velocidade.
O motorista foi preso em flagrante, porém libertado após pagar R$ 1.220,00 de fiança. O laudo oficial no momento do acidente concluiu que o acusado estava embriagado. Ele se negou a fazer o exame de sangue, (exame que inclusive poderia isentá-lo da conclusão de embriaguez).
No dia 29/02/2012 saiu a sentença. A juíza condenou o Sr. Rafael Muchon a pena de cinco anos de prestação de serviços à comunidade preferencialmente junto a entidades que cuidem de vítimas de trânsito, suspensão da habilitação para dirigir por um ano, pagamento de 180 salários à família.
Antes de sair a sentença, o acusado esteve no cartório assinando a Interposição da Apelação, podendo assim deixar o país legalmente.
Desde julho de 2011, ele e a família moram nos EUA, e agora sua defesa entrou com recurso de Apelação para o TJSP.
Essas condenações não servem para evitar novos acidentes de trânsito. Para acabar com a impunidade precisamos de leis mais rígidas e que sejam cumpridas. Precisamos de mais conscientização, educar desde criança.
Essa condenação não repara a dor da família. NÃO FOI ACIDENTE.  Att. MariaLuiza Hausch, mãe.”***PS: Dona Maria Luiza esteve presente no Papo de Mãe sobre “Filhos e o Código de Trânsito”, juntamente com outras mães.  Assista novamente clicando abaixo:
Programa Papo de Mãe – Filhos e o código…
Bloco 2Bloco 3


Diversos