Papo de Mãe
Papo de Mãe

Você conhece algum “Consultório Amigo da Amamentação”?

Convidamos os profissionais de saúde que atendem o binômio mãe-bebê nos primeiros anos de vida a nos acompanharem nessa jornada.

Roberta Manreza Publicado em 22/02/2021, às 00h00 - Atualizado às 12h33

None
22 de fevereiro de 2021


Veja os itens do novo Protocolo do Consultório Amigo da Amamentação, iniciativa acolhida pela Sociedade Brasileira de Pediatria, com base nas recentes orientações da Academia Americana de Pediatria.

Por Dr.  Moises Chencinski*

Muito se fala (e se cobra) dos serviços públicos, das políticas mundiais, das instituições para que se melhorem as taxas de aleitamento materno no mundo.

Mas, será que isso é suficiente?

Será que as mães só buscam os serviços públicos par a acompanhamento de seus filhos?

E as mães que têm plano de saúde ou vão a ambulatórios ou a consultórios particulares? Em que momento essas mães são informadas, apoiadas, orientadas em relação ao aleitamento materno.

Um consultório pediátrico que tem distribuição de fórmulas, publicidade de mamadeiras e chupetas em sua recepção, está adequadamente preparado para acolher e passar a imagem adequada para as lactantes?

O que cada um de nós, profissionais de saúde, e nossas Sociedades, Associações e Conselhos podemos contribuir?

– O que fazemos na prática em prol do sucesso do aleitamento em nossos consultórios?
– O que poderíamos todos fazer a mais para favorecer mães com seus bebês que nos procuram em nossa prática particular para orientar a amamentação?
– Quem de nós está disposto a se comprometer pessoalmente para recuperarmos essa cultura dentro de um espaço sob nossa responsabilidade?

Em maio de 2.017, baseados em uma publicação da Academia Americana de Pediatria, Dr. Marcus Renato de Carvalho e eu (Dr. Moises Chencinski) adaptamos para a nossa realidade uma proposta e um protocolo que foi acolhido pela Sociedade Brasileira de Pediatria:

Novo Protocolo do Consultório Amigo da Amamentação

A Iniciativa Consultório Amigo da Amamentação.

E agora, após 5 anos, a Academy of Breastfeeding Medicine (Academia Americana de Pediatria) lança uma atualização desse protocolo.

Academy of Breastfeeding Medicine é uma organização que reúne médicos para fornecer soluções para os desafios que a amamentação enfrenta em todo o mundo.

Uma das ferramentas que utiliza para orientar a prática clínica baseada em evidências científicas são os seus famosos protocolos. São dezenas, com temas específicos: mastite, galactagogos, prematuridade, anquiloglossia…

Elegemos apresentar aos profissionais lusófonos, esse protocolo – #14: Breastfeeding-Friendly Physician’s Office—Optimizing Care for Infants and Children – que trata de como podemos tornar os nossos espaços de atendimento (consultórios, ambulatórios), promotores, protetores e apoiadores do aleitamento materno.

Estamos contentes que as recomendações dessa publicação ratificam os critérios que norteiam a nossa Iniciativa Consultório Amigo da Amamentação. Convidamos os profissionais de saúde que atendem o binômio mãe-bebê nos primeiros anos de vida a nos acompanharem nessa jornada.

Imagem para baixar e ser colocada no Consultório Amigo da Amamentação

Assim, seguem os itens do novo Protocolo do Consultório Amigo da Amamentação:

  1. Estabeleça uma política de consultório amigo da amamentação por escrito
  2. Capacite todos os funcionários do consultório sobre as habilidades de apoio à amamentação e implemente-as com as pacientes.
  3. Cumpra o Código Internacional de Comercialização de Substitutos do Leite Materno da OMS (Nossa NBCAL)
  4. Conheça as leis locais e nacionais sobre amamentação.
  5. Promova a amamentação em seu consultório.
  6. Normalize a amamentação.
  7. Considerações ao fornecer cuidados pré-natais
  8. Cuidados pós-parto imediatos
  9. Faça uma ponte entre os cuidados pós-parto e o ambiente ambulatorial
  10. Colaboração entre os vários profissionais
  11. Informações para a paciente
  12. Capacitação para o provedor de cuidados de saúde
  13. Colete dados sobre amamentação

Seguindo orientações (mais explicadas no documento completo), o profissional de saúde (seu pediatra, por exemplo) estará preparado para acolher e apoiar a sua decisão de amamentar, segundo as recomendações.

*Dr.  Moises Chencinski , pediatra e homeopata.

Presidente do Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade de Pediatria de São Paulo (2016 / 2019 – 2019 / 2021).
Membro do Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade Brasileira de Pediatria (2016 / 2019 – 2019 / 2021).
Autor dos livros HOMEOPATIA mais simples que parece, GERAR E NASCER um canto de amor e aconchego, É MAMÍFERO QUE FALA, NÉ? e Dicionário Amamentês-Português
Editor do Blog Pediatra Orienta da Sociedade de Pediatria de São Paulo.
Criador do Movimento Eu Apoio leite Materno.

Veja também:

Leite materno e as variações de cor

Síndrome da Morte Súbita do Lactente

Amamentação pode proteger contra dor crônica após cesariana




Amamentação / AlimentaçãoColunistasMoises ChencinskiCuidadoresDesenvolvimentoDestaquesDicasDiversosBebêHomeNotícias0 a 2 anosGravidezPrimeira InfânciaPós-partoSaúde