Papo de Mãe
Papo de Mãe

UNICEF: Por uma infância sem racismo

pmadmin Publicado em 23/02/2011, às 00h00 - Atualizado às 12h21

23 de fevereiro de 2011


A campanha Por uma infância sem racismo faz parte da celebração dos 60 anos de atuação da UNICEF no Brasil.  A UNICEF tem como missão colaborar com os governos dos países para que assegurem direitos iguais para cada criança e cada adolescente e considera que promover a equidade racial é de extrema importância para o desenvolvimento social e econômico das nações. No Brasil e em outros 190 países, esse trabalho é realizado em parceria com governos e sociedade. Por meio da união de forças, a UNICEF acredita que será possível superar as disparidades que ainda impedem a sobrevivência e o desenvolvimento de milhões de meninas e meninos em todo o mundo. Dez maneiras de contribuir para uma infância sem racismo 1. Eduque as crianças para o respeito à diferença. Ela está nos tipos de brinquedos, nas línguas faladas, nos vários costumes entre os amigos e pessoas de diferentes culturas, raças e etnias. As diferenças enriquecem nosso conhecimento. 2. Textos, histórias, olhares, piadas e expressões podem ser estigmatizantes com outras crianças, culturas e tradições. Indigne-se e esteja alerta se isso acontecer – contextualize e sensibilize! 3. Não classifique o outro pela cor da pele; o essencial você ainda não viu. Lembre-se: racismo é crime. 4. Se seu filho ou filha foi discriminado, abrace-o, apoie-o. Mostre-lhe que a diferença entre as pessoas é legal e que cada um pode usufruir de seus direitos igualmente. Toda criança tem o direito de crescer sem ser discriminada. 5. Não deixe de denunciar. Em todos os casos de discriminação, você deve buscar defesa no conselho tutelar, nas ouvidorias dos serviços públicos, na OAB e nas delegacias de proteção à infância e adolescência. A discriminação é uma violação de direitos. 6. Proporcione e estimule a convivência de crianças de diferentes raças e etnias nas brincadeiras, nas salas de aula, em casa ou em qualquer outro lugar. 7. Valorize e incentive o comportamento respeitoso e sem preconceito em relação à diversidade étnico-racial. 8. Muitas empresas estão revendo sua política de seleção e de pessoal com base na multiculturalidade e na igualdade racial. Procure saber se o local onde você trabalha participa também dessa agenda. Se não, fale disso com seus colegas e supervisores. 9. Órgãos públicos de saúde e de assistência social estão trabalhando com rotinas de atendimento sem discriminação para famílias indígenas e negras. Você pode cobrar essa postura dos serviços de saúde e sociais da sua cidade. Valorize as iniciativas nesse sentido. 10. As escolas são grandes espaços de aprendizagem. Em muitas, as crianças e os adolescentes estão aprendendo sobre a história e a cultura dos povos indígenas e da população negra; e como enfrentar o racismo. Ajude a escola de seus filhos a também adotar essa postura. Fonte: http://www.infanciasemracismo.org.br/ e http://www.unicef.org.br/ **** ATENÇÃO PARA ESTE APELO DA AHPAS!“Caro amigo da AHPAS,Devido ao trânsito cada vez mais caótico em São Paulo, os veículos da AHPAS estão demorando muito mais tempo para levar e trazer dos tratamentos as crianças e adolescentes com câncer atendidos. Decidimos fazer um apelo ao Secretário Municipal de Transportes, pedindo para que os veículos da AHPAS, devidamente identificados, tivessem autorização para transitar nos corredores de ônibus, o que diminuiria o tempo no trânsito e possibilitaria o atendimento a mais crianças. Depois de alguns meses do encaminhamento da solicitação, recebemos uma carta da Chefe de Gabinete, com um parecer jurídico indeferindo o pedido sob dois argumentos absolutamente sem sentido: um deles dizendo que não há como autorizar os veículos da AHPAS, pois somente ônibus, ambulâncias e veículos de segurança podem usar o corredor. Isto não é verdade, pois também os táxis e as vans do Atende (serviço de transporte similar ao oferecido pela AHPAS) utilizam os corredores de ônibus. O outro argumento (absurdo!) é o de que os veículos da AHPAS (hoje apenas cinco) iriam causar transtornos ao trânsito e atrapalhar a população.Fizemos um recurso com embasamento legal, ao qual anexamos todos os apoios que a AHPAS tem recebido dos hospitais e da mídia. O recurso foi entregue na última sexta-feira (dia 18/2) e vamos fazer uma grande campanha para que esse pedido seja aprovado. Estamos pleiteando o apoio de políticos simpatizantes da causa, de órgãos da imprensa, dos hospitais atendidos, das famílias dos pacientes e dos amigos da AHPAS para que apóiem essa iniciativa. Como apoiar?• Se você é uma autoridade do setor público ou privado: solicitando diretamente ao Secretário o DEFERIMENTO do justo pedido. • Se você é profissional da mídia: divulgando o pleito nos seus veículos de comunicação e apontando para a inconsistência da negativa. • Se você é nosso colaborador ou beneficiário: divulgando o pleito pela internet, para amigos e conhecidos, formando uma grande rede de apoio às crianças e familiares atendidos pela AHPAS. Detalhamento do processo: recurso entregue em 18/02/2011 na SMT, em ofício AHPAS nº 002/2011, Protocolo nº 60.20.10.001.Grande abraço a todos!Tatiana PiccardiP.S.: Faça já o seu gesto de protesto! Não deixe para amanhã”.Conheça o trabalho da AHPAS pelo site: www.ahpas.org.br