Papo de Mãe
Papo de Mãe

Transtornos alimentares

pmadmin Publicado em 03/05/2010, às 00h00 - Atualizado às 17h53

3 de maio de 2010


Olá!!!  Esta semana estamos tratando sobre transtornos psiquiátricos, psicológicos e neurológicos. Dentre os assuntos debatidos no programa, falamos a respeito de transtornos alimentares. E a seguir, transcrevemos para vocês a entrevista da nossa repórter, Rosângela Santos, com o Dr. Fábio Tapia Salzano, psiquiatra do Hospital das Clínicas de São Paulo. Confiram!RS: Quais são os distúrbios alimentares mais preocupantes?FS: Temos 2 grandes transtornos alimentares: anorexia nervosa e bulimia nervosa. Temos ainda um terceiro que é transtorno da compulsão alimentar periódica. De todos eles, a anorexia nervosa tem um dos mais preocupantes índices de mortalidade: em torno de 10%. Ou seja, de cada 100 mulheres com a doença, 10 morrem. É o maior índice de mortalidade dentro dos transtornos psiquiátricos. Já na bulimia nervosa, o índice mortalidade é menor.RS: Quem são as vítimas?FS: Na anorexia nervosa, geralmente, são moças, mulheres jovens que querem emagrecer. São moças que possuem peso normal, mas quando se olham no espelho, se examinam, pensam e se enxergam gordas. A partir daí entram numa restrição alimentar, começam a perder peso, mas continuam se achando gordas.RS: Quando família deve se preocupar?FS: A família deve se preocupar se esse emagrecimento começa a ficar acentuado e ainda sim a menina diz que precisa perder mais peso. Brigar não adianta, tem que conversar “ filha, você acha que está gorda? Ah, eu acho”. Isso é sinal de alerta. Quanto mais cedo você procurar pelo médico, mais fácil diagnosticar e não deixar que a doença se torne crônica.RS: E a bulimia?FS: A bulimia já é um pouco mais difícil o diagnóstico porque, na anorexia, a pessoa quer emagrecer e de fato ela emagrece. Já na bulimia, geralmente o peso é estável e normal, mas a pessoa tem medo de engordar. Só que ela sofre com episódios em que come exageradamente (mais do que qualquer um) e depois de comer faz medidas compensatórias que são danosas para ela como, por exemplo, induzir o vômito.RS: Quais são as causas destas desordens alimentares?FS: Não existe causa única para esses transtornos alimentares. Costumamos dizer que vários fatores contribuem para o aparecimento deles. A genética é um fator, pois existe sim uma maior freqüência de transtornos alimentares em parentes de quem apresenta um transtorno psiquiátrico. Outra causa é a depressão. Existem trabalhos mostrando alterações biológicas no organismo de quem tem transtorno alimentar. Pessoas com bulimia ou anorexia têm alteração nos níveis de serotonina, por exemplo. Além disso, os fatores sócio-cultural, familiar e psicológico também contribuem. Ex: Um comentário desagradável feito para uma menina sobre sua aparência pode se transformar num grande problema… Então, se juntar tudo isto, pode ser que a pessoa apresente um transtorno alimentar.RS: E tem cura? Qual o tratamento? FS: Para a anorexia nervosa não existe remédio. Uma pessoa com depressão associada, por exemplo, pode melhorar tomando o remédio que vai atuar nos níveis de serotonina do cérebro. Mas não existe remédio que melhore a distorção de imagem corporal. Temos remédios que agem na depressão e alguns que conseguem frear a compulsão alimentar. O tratamento envolve além do médico, psicoterapia e nutricionista. Felizmente, a maioria dos casos têm boa evolução.ATENÇÃO: Para saber mais sobre transtornos alimentares e onde obter tratamento acesse o site do Ambulatório de Bulimia e Transtornos Alimentares do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo: http://www.ambulim.org.br/DICA DE LEITURA: Por hoje é isto, pessoal. Não esqueçam que, terça-feira, 19 horas, vai ao ar a última reprise do Papo de Mãe sobre transtornos psicológicos, psiquiátricos e neurológicos. E que a partir de 09 de maio, o programa passa a ser apresentado em novo dia e novo horário: DOMINGOS, às 19 horas.  Beijos e até mais!!!