Papo de Mãe
Papo de Mãe
» DIREITOS DA MULHER

TJ-SP determina que aplicativo de paquera indenize jovem que teve fotos e número de telefone divulgados indevidamente

A decisão foi tomada após ação da Defensoria Pública de SP. O TJ-SP reafirmou uma decisão de 1º grau e ainda ampliou o valor da indenização

Mariana Kotscho* Publicado em 04/11/2021, às 13h24

Cuidado com vazamento de dados em aplicativos
Cuidado com vazamento de dados em aplicativos

O Tribunal de Justiça de SP (TJ-SP) reiterou a decisão obtida em primeira instância e determinou que a empresa responsável pelo aplicativo Tinder (plataforma de relacionamentos online) indenize por danos morais uma mulher que teve seu telefone e fotos divulgados sem o seu conhecimento. A nova decisão, obtida após ação da Defensoria Pública da SP,  ampliou para R$ 5 mil o valor da indenização.

Em depoimento, a vítima contou que, em abril de 2020, recebeu uma mensagem, via WhatsApp, de um usuário do Tinder. E então descobriu que havia um perfil falso criado no aplicativo de relacionamentos, com duas fotos dela e expondo seu número de telefone na descrição do perfil, embora o nome cadastrado não fosse o dela.

Primeiro, ela tentou contato com a plataforma por todos os canais de comunicação informados, tentando solicitar a exclusão do perfil, porém não obteve sucesso. Então decidiu buscar ajuda da Defensoria Pública.

Assista ao Papo de Mãe sobre cuidados nas Redes Sociais


Diante das ofensas ao direito de imagem e ao sossego da vítima, a Defensoria oficiou extrajudicialmente o escritório de advocacia representante do Tinder no Brasil, requerendo que fosse providenciada a exclusão do perfil falso. Em resposta, a empresa informou não ter sido possível localizar a conta por falta de informações, pontuando, ainda, a necessidade de determinação judicial para que fosse efetuada a exclusão da conta.

De acordo com a Defensoria, esgotadas as tentativas de resolução amigável, foi ajuizada a ação, em que a Defensoria apontou que a própria empresa responsável pelo aplicativo estabelece como obrigação imposta a si mesma, a tomada de medidas adequadas, como oferecer ajuda, remover conteúdo, bloquear o acesso a determinados recursos, desativar uma conta ou contatar autoridades, uma vez identificada uma conduta que cause prejuízo a outras pessoas. Atuaram no caso os Defensores Públicos Leonardo Scofano Damasceno Peixoto e Fabricio Bueno Viana, solicitando que a Justiça determinasse a imediata exclusão do perfil falso.

Em primeira instância, a Juíza Patricia Persicano Pires, da 3ª Vara Cível de São Miguel Paulista, determinou à empresa identificar e bloquear a conta relacionada ao perfil em questão. Determinou, ainda, o pagamento de indenização à vítima por danos morais, no valor de R$ 3 mil. A Defensoria recorreu da decisão, pedindo um valor maior de indenização.

Segunda instância

Após sustentação oral realizada pelo Defensor Público Adriano Elias Oliveira, do Núcleo de 2ª Instância e Tribunais Superiores da Defensoria, os Desembargadores da 9ª Câmara de Direito Privado do TJ-SP observaram que, no caso analisado, não deveria haver incidência do artigo 19 do Marco Civil da Internet, uma vez que os aplicativos de relacionamento não têm a finalidade de difundir ideias ou publicar informações de cunho geral, mas tão somente de aproximar pessoas, cujos perfis contém unicamente informações pessoais.

Para o Defensor Público Fabricio Bueno Viana, que atuou no caso, "A decisão da justiça de São Paulo contribui para afastar a ideia de que internet é terra sem lei. Além da indiscutível responsabilização daquele que tenha criado um perfil falso para prejudicar terceiros, a decisão exige uma conduta mais proativa dos aplicativos e provedores, que poderão também ser responsabilizados caso não adotem medidas concretas para impedir lesão à intimidade das pessoas."

Com isso, esperamos que muitos casos não precisem de uma ordem judicial para que haja remoção imediata de conteúdo indevido, como em situações de porn revenge e de expressões injuriosas nas redes sociais". (Fabricio Viana, Defensor Público)

Veja também


"Assim, caso seja notificada da existência de perfil criado por terceiros, contendo informações privadas do denunciante, é dever da plataforma proceder de modo a apurar a veracidade da denúncia e, caso confirmada, retirar o perfil independentemente de ordem judicial, já que não relacionada à liberdade de expressão de usuários, diante da própria dinâmica da plataforma, mas de utilização indevida de dados privados, cuja intimidade é constitucionalmente garantida pelo artigo 5º, inciso X da Constituição Federal", pontuaram os desembargadores.

Em votação unânime, os Desembargadores aprovaram o recurso apresentado. "É certo, no caso, que a autora buscou solução administrativa para a retirada de suas informações de perfil falso, tanto por meio do próprio mecanismo de denúncia da plataforma, quanto por notificação extrajudicial realizada pela Defensoria Pública, tendo a omissão da parte ré gerado prejuízos de caráter moral, que, em ambiente virtual, são de difícil mensuração". Assim, ampliaram para R$ 5 mil o valor da indenização por danos morais a ser pago à vítima.

Ainda cabe recurso da decisão.

O outro lado

Procurado pela nossa reportagem, o Tinder ainda não se manifestou. Nosso portal está à disposição para divulgar a posição da empresa (contato@papodemae.com.br).


*Mariana Kotscho é jornalista
Direitos da mulher