Papo de Mãe
Papo de Mãe
» ENTRE ONDAS

'Reconhece o mar como a casa dela', diz Claudinha Gonçalves sobre a filha de 1 ano e meio

Surfista profissional, empreendedora, mãe e agora comentarista das Olimpíadas de Tóquio, Claudia Gonçalves fala sobre projetos, maternidade e protagonismo feminino no esporte

Ana Beatriz Gonçalves* Publicado em 19/07/2021, às 12h33 - Atualizado em 21/07/2021, às 19h10

Claudia Gonçalves se tornou mãe da pequena Clara em plena pandemia. Apesar disso, ela não deixou de surfar
Claudia Gonçalves se tornou mãe da pequena Clara em plena pandemia. Apesar disso, ela não deixou de surfar - (Foto: Ana Catarina photo)

Ela tinha apenas 3 anos quando começou a subir na prancha, e apesar de ainda não saber falar todas as palavras do português, Claudinha Gonçalves já entendia a linguagem do surfe. "Comecei a surfar praticamente depois que aprendi a andar. Meu pai era apaixonado e sempre incentivou eu e meu irmão", lembra ela, que hoje, com 36 anos, repete a história com a filha Clara, de 1 ano e meio.

Natural do Guarujá, litoral sul de São Paulo, Claudinha morou por muitos anos na Praia do Francês, em Maceió, Alagoas, onde começou a aprimorar o esporte. No entanto, foram as visitas frequentes à avó, que morava no litoral paulista, que a fizeram descobrir que o mar poderia ser além de uma paixão, mas também seu principal ganha-pão e filosofia de vida.

"Não imaginava que eu ia me tornar surfista profissional. A gente sempre passava as férias no Guarujá. Em uma das férias escolares fui pra casa da minha avó, eu tinha uns 12 anos, e participei de um campeonato na praia do Tombo. Era um campeonato só feminino chamado Festival Surfe Trip –  foi o primeiro do Brasil deste tipo. Eu competi na categoria amadora e fiquei em 4º lugar", conta.

Veja também:

Aos 13, Claudinha já morava longe dos pais para ficar perto dos circuitos e competições de surfe que aconteciam no sul e sudeste do Brasil. Conquistando cada vez mais seu espaço na categoria de amadora, Claudinha alcançou a modalidade profissional e, em paralelo, cursou a faculdade de jornalismo, para poder também trabalhar como jornalista esportiva. "Tinha o sonho de juntar as duas paixões", comenta. A maternidade, entretanto, era algo que Claudinha não entendia como conseguiria conciliar. 

Sempre sonhei em ser mãe, sempre tive essa vontade. Na verdade, meu maior sonho sempre foi formar uma família para poder completar a minha vida. Poder passar um pouco dessa minha filosofia que envolve a natureza e outras coisas. O surfe veio desses valores, junto ao mar e a natureza, e a minha maior vontade era construir uma família atrelada a todos esses ensinamentos". (CG)
Claudinha Gonçalves  surfando
Como jornalista, Claudinha Gonçalves fundou o Ehlas, revista online dedicada ao surfe feminino. Ela também apresentou e produziu programas de TV nos canais OFF e Woohoo. (Foto: @fellipeditadi)

O receio da maternidade

Apesar de ter sempre se imaginado mãe, Claudinha Gonçalves conta que por ser esportista e depender da boa forma física para seu desempenho, a maternidade acabou sendo adiada por alguns anos em sua vida.

"Eu tinha uma visão de gravidez muito diferente. Todas essas coisas ficavam passando pela minha cabeça e faziam eu pensar que tinha que esperar o momento certo. Acabou que aconteceu um pouco de surpresa", conta ela, que teve Clarinha em plena pandemia. "Já estava com o meu companheiro há 4 anos, e nós tínhamos planos de construir uma família, mas eu dizia 'vamos esperar mais um pouco'. Eu ainda estava muito na ativa, gravando, viajando, etc", comenta.

Todo o receio que a surfista sentia da gravidez acabou caindo por terra quando ela engravidou da Clara. Segundo ela, em nenhum momento a gestação a impediu de surfe, pelo contrário, ela pegou onda até completar 8 meses.

Eu consegui conciliar muito bem e isso me surpreendeu. Fiquei ativa, com a criatividade mais aguçada, com mais vontade de construir coisas, com um novo propósito de vida", diz.

Por ser atleta desde criança, a surfista acredita que o esporte a tornou uma pessoa determinada, que sabe focar exatamente em seus objetivos. E segundo ela, o maior de todos é, agora, a filha.

"Ela é a número um na minha vida. Hoje eu vejo as coisas de outra forma, a minha vida pessoal, a minha profissão, até a minha maior paixão que é o surfe… virou, de fato,  segundo plano", conta ela. Já acostumada com o pé na areia e as ondas do mar, a pequena Clara, assim como Claudinha, já entende a linguagem das ondas. E sem precisar de muito esforço.

Claudinha Gonçalves  e Clara
Claudinha Gonçalves ensina a filha Clara a fazer posição de surfe. (Foto: Instagram/Reprodução)

Herança de família

Para Claudinha, transmitir seu amor pelo esporte e pela natureza para Clara é sua maior felicidade. "Ela surfou na minha barriga até os 8 meses, ela reconhece o mar como a casa dela, é muito familiarizada. É o ambiente que ela mais se sente segura e isso me deixa muito feliz", afirma.

Claudinha Gonçalves  e Clara
Claudinha Gonçalves com Clarinha ainda bebê (Foto: Ana Catarina photo)

Claudinha Gonçalves  e filha no mar
Assim como a surfista, que teve contato com o mar desde muito nova, Clara segue os mesmos passos (Foto: Instagram/Reprodução)
Com o maternar intrínseco em sua vivência como mãe e empreendedora, já que Claudinha é a CEO do Coolture Life, ela diz que conta bastante com o apoio da sua mãe para conciliar a carreira com a maternidade. "Só consegui fazer acontecer porque tenho a minha mãe", ressalta.
Ela me apoia, está sempre comigo e com a Clara. Pra mim é muito bom, não existe segurança maior do que deixar a minha filha com a minha mãe. É um privilégio que não sei nem mensurar". (CG)

Pelo fato de ser dona do seu próprio negócio, Claudinha Gonçalves diz que consegue intercalar bem as demandas do trabalho com as da Clara. "Eu construo a minha agenda, crio os meus projetos, então acabo tendo essa liberdade de me organizar de acordo com cada necessidade."

Claudinha Gonçalves  amamentando
Claudinha ainda está no processo de aleitamento materno

Novo desafio

Mãe, atleta, empreendedora e agora comentarista. Claudinha Gonçalves foi convidada pela rede Globo para comentar as Olimpíadas de Tóquio 2020. Esta é a primeira edição em que o surfe está incluso na lista de competições. E para alguém que é veterana no esporte, ela não poderia estar mais feliz com isso.

"A inclusão do surfe é um passo gigantesco, é um reconhecimento ainda maior. Ainda mais na fase em que o Brasil está. Temos um time de atletas brasileiros que são os melhores do mundo hoje, nós somos os favoritos para ganhar", palpita. 

Já sobre o convite da emissora de televisão, Claudinha diz que é a realização de um sonho. "Fiz a faculdade visando essa parte da comunicação, então hoje pra mim ter sido convidada é a junção dos melhores mundos. Nada melhor do que comentar sobre algo que eu entendo, apesar de estar sendo um grande aprendizado para mim".

Claudinha Gonçalves  como comentarista da Globo
Claudinha Gonçalves está no time de comentaristas da rede Globo das Olimpíadas de Tóquio

*Ana Beatriz Gonçalves é jornalista e repórter do Papo de Mãe


Confira o canal do Papo de Mãe no Youtube e se inscreva aqui:

DestaquesNotíciasReportagemVocê no Papodestaquenoticia