Papo de Mãe
Papo de Mãe

Superblack, o poder da representatividade: livro infantil incentiva a educação para uma sociedade antirracista

Mariana Kotscho Publicado em 23/04/2021, às 00h00 - Atualizado às 15h11

None
23 de abril de 2021


As educadoras, professoras da rede pública municipal de São Paulo, e autoras do livro Superblack,  o Poder da Representatividade, Tatiane Santos e Renata Oliveira, deram uma entrevista ao Papo de Mãe para falar do livro e da importância de uma educação antirracista.

Por Mariana Kotscho*

Capa do livro Superblack, o poder da representatividade

A inspiração veio do Lucas, filho mais velho da educadora Tatiane Santos, que também é mãe de Noah Akin, de 2 meses. Um menino negro que não se via nos livros infantis. Então, a mãe fez dele mesmo um personagem: o Superblack. Tatiane, que é também consultora antirracismo criou o personagem que logo ganhou forma com a ilustradora Pamella Paixão e história, com a também educadora e amiga Renata Oliveira. “É a história de um menino que tem o poder da representatividade”, conta Tatiane. Logo na capa, o pequeno super-herói levanta um pente-dente, que é um dos acessórios ideais para cuidar do seu cabelo black.

Tatiane e o filho Lucas

A luta antirracista é urgente e deve ser permanente, uma luta de toda sociedade. A ideia é que o livro seja adotado pelas escolas. É possível comprar  on-line no instagram @superblack.oficial.

“Depois que me tornei mãe, a questão da representatividade ficou ainda mais forte pra mim”, conta Tatiane.

Assista à entrevista completa com as autoras do Superblack, Tatiane Santos e Renata Oliveira

Para Renata Oliveira, a representatividade precisa estar em todas as escolas. “Para crianças isso é fundamental, quando você leva representatividade pra sala de aula todos são contemplados: as crianças negras conseguem se reconhecer, se identificar, se enxergar. E as crianças brancas aprendem que não existe só um tipo de personagem, passam a pensar nisso, a perceber”. Renata é mãe do Pedro, de 3 anos.

A autora Renata Oliveira

“A educação antirracista vai ajudar meu filho a se reconhecer e aprender a história como ela foi. Eu preciso educar meu filho a ser forte, respeitar e ser respeitado, a lutar por seus direitos e que ele pode ser o que ele quiser”, diz Tatiane, mãe negra.

“Enquanto mãe branca o que quero é que meu filho não reproduza coisas que acontecem cotidianamente por ignorância ou discriminação. Não quero que meu filho siga reproduzindo essas coisas, quero que ele aprenda a respeitar as pessoas. Por exemplo: é muito comum uma criança negra ganhar uma boneca branca e isso não causar um estranhamento. Mas quando a criança branca ganha uma boneca negra, isso causa estranhamento. Por que? Não deve ser assim”, diz Renata, mãe branca.

Tatiane ressalta a diferença entre preconceito e racismo: “Racismo é racismo, preconceito é outra coisa”.

“O livro traz o personagem negro enquanto protagonista, que tem o poder da representatividade e de mostrar para as pessoas a importância da autoestima e do respeito”, resumem as autoras.

A ilustradora Pamella Paixão

@pretinhaeducadora

@todo_assunto

@superblack.oficial

*Mariana Kotscho é jornalista e apresentadora do Papo de Mãe

Conheça a campanha Papo de Mãe por uma sociedade antirracista

Campanha “Seja antirracista e crie filhos antirracistas“

Assista também entrevista com Monique Prado e Clélia Rosa

Por uma sociedade antirracista: Monique e Clelia




ColunistasTatiane Santos - Pretinha EducadoraEntrevistasFamíliaHomeCriançaPrimeira InfânciaVídeos