Papo de Mãe
Papo de Mãe

Semana Mundial do Aleitamento: Amamentação – Uma chave para o Desenvolvimento Sustentável

Roberta Manreza Publicado em 01/08/2016, às 00h00 - Atualizado às 17h27

None
1 de agosto de 2016


Campanha deste ano associa a Amamentação ao Desenvolvimento Sustentável

Por Clarissa Meyer  / Informações de: Ibfan, Redeblh, Worldbreastfeedingweek e ONUBR

wabacapa

A Semana Mundial da Amamentação deste ano tem como norte os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que os governos ao redor do mundo se comprometeram a alcançar até 2030.

Os ODS foram criados a partir dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) e cobrem uma gama de questões sobre ecologia, economia e equidade com objetivo decombater as causas da pobreza e oferecer uma visão de desenvolvimento que funcione para todas as pessoas em todos os lugares do mundo.

Embora o aleitamento materno não esteja especificamente previsto em nenhum dos 17 objetivos, é impossível pensar no cumprimento deles sem a amamentação.

O leite materno é o alimento mais acessível (não tem custo e está próximo), seguro (não necessita de fabricação/envase/preparo/transporte), completo (é espécie específico) e oportuno (está disponível no tempo certo, na quantidade adequada, com incontáveis vantagens) para bebês e crianças pequenas em qualquer situação socioeconômica, em qualquer lugar do mundo.

Desta forma, o aleitamento materno cabe praticamente em cada um dos objetivos, de forma direta ou indireta, pois para erradicação da pobreza é crucial a garantia do direito humano à alimentação adequada. Sem o alimento adequado não há como crescer, estudar e trabalhar, tampouco sobreviver.

A Semana Mundial da Amamentação 2016 visa marcar um novo começo para alcançar o desenvolvimento sustentável através da promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno.

Confira os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS):

waba2

Entenda a relação de cada um dos objetivos com a amamentação: 

1. Erradicação da pobreza: A amamentação é uma forma natural e de baixo custo de alimentar bebês e crianças. É acessível para todos e não sobrecarrega o orçamento doméstico como a alimentação artificial. A amamentação contribui para a redução da pobreza.

2. Fome zero: O aleitamento materno exclusivo com a continuação da amamentação por dois anos ou mais fornece nutrientes de alta qualidade e adequada energia que pode prevenir a fome, a desnutrição e a obesidade. O aleitamento materno também significa segurança alimentar infantil.

3. Boa saúde e bem-estar: A amamentação melhora significativamente a saúde, o desenvolvimento e a sobrevivência de bebês e crianças. Também contribui para melhorar a curto ou a longo prazo a saúde e o bem estar das mulheres que amamentam.

4. Educação de qualidade: O aleitamento materno e a complementação de forma adequada são fundamentais para o aprendizado. O aleitamento materno e os alimentos complementares de boa qualidade contribuem significativamente para o desenvolvimento mental e cognitivo e, assim, promovem a aprendizagem.

5.  Igualdade de gênero: A amamentação é o grande equalizador, dando a cada criança um começo justo e melhor de vida. A amamentação é um direito único das mulheres e elas devem ser apoiadas pela sociedade para amamentar de forma otimizada. A experiência de amamentar pode ser gratificante e estimulante para a mulher pelo fato dela estar em controle da alimentação do bebê.

6. Água potável e saneamento: O aleitamento materno sob livre demanda proporciona toda ingestão de água que o bebê precisa, mesmo em clima quente. Por outro lado, a alimentação artificial requer acesso a água potável, higiene e saneamento.

7. Segurança de energia limpa: A amamentação implica em menos consumo de energia quando comparado com as indústrias na fabricação de fórmula infantil. A amamentação também contribui para a redução do consumo de água e gás em casa.

8. Trabalho decente e crescimento econômico:  As mulheres que amamentam e são apoiadas por seus chefes são mais produtivas e leais ao emprego. A proteção a maternidade e outras políticas favoráveis no local de trabalho tornam mais possível para a mulher conciliar a amamentação com o trabalho e emprego. Empregos dignos devem atender às necessidades das mulheres que amamentam, especialmente aquelas em situações precárias.

9. Indústria, inovação e infraestrutura: Com a industrialização e urbanização os desafios de tempo e espaço tornaram-se mais proeminentes. As mulheres que amamentam e trabalham fora de suas casas precisam gerenciar estes desafios e serem apoiadas por seus empregadores, pelos familiares e pela comunidade. As creches próximas aos locais de trabalho, as Salas de Apoio à Amamentação e os intervalos para a amamentação podem fazer uma grande diferença.

10. Redução das desigualdades: A prática da amamentação difere em todo o mundo. O aleitamento materno precisa ser protegido, promovido e apoiado entre todos, porém em particular entre os pobres e grupos vulneráveis. Isto ajudará a reduzir as desigualdades.

11. Cidades e comunidades sustentáveis:  Na agitação das grandes cidades, as mulheres que amamentam e seus bebês precisam se sentir seguros e bem vindos em todos os locais públicos. Em situações de desastre e crises humanitárias as mulheres e as crianças são as mais afetadas. As gestantes e mulheres que amamentam necessitam de apoio especial nestas situações.

12. Consumo e produção responsável:  A amamentação é uma fonte natural de nutrição e sustento saudável, viável, sustentável, sem poluir e depredar o meio ambiente.

13. Ação contra as mudanças climáticas: O aleitamento materno protege a saúde infantil e a nutrição em tempos de adversidades e desastres relacionados com o clima devido ao aquecimento global.

14. Vida submarina:  Amamentação implica em menos desperdícios em comparação com alimentação com fórmula infantil. A produção industrial de fórmula infantil, bem como a sua distribuição, estão ligadas a lixos poluentes nos oceanos que afetam a vida marinha.

15. Vida na terra: A amamentação é ecológica em comparação com a alimentação com fórmula infantil. A produção de fórmula infantil implica na criação de gado leiteiro que, muitas vezes, degrada os recursos naturais e contribui para as emissões de carbono e as mudanças climáticas.

16. Paz, justiça e instituições fortes: A amamentação é consagrada nas estruturas e convenções dos direitos humanos. As legislações e políticas nacionais para proteger e apoiar as mulheres que amamentam e os bebês precisam garantir para que seus direitos sejam respeitados.

17. Aliança para atingir os objetivos: A Estratégia Global para a Alimentação de Lactentes e Crianças de Primeira Infância promove a colaboração multissetorial e pode construir em cima de várias parcerias o apoio ao desenvolvimento através de programas e iniciativas em prol do aleitamento materno.

Faça o download do folder SMAM 2016 e saiba mais sobre a campanha.

Papo de Mãe recomenda:
Assista ao Papo de Mãe sobre 6 meses e Amamentação:



Amamentação / AlimentaçãoCuidadoresDesenvolvimentoDestaquesDiversosHomeNotícias0 a 2 anosPós-partoSaúde