Papo de Mãe
Papo de Mãe
» EDUCAÇÃO

Retorno à sala de aula pós isolamento social: o que fazer com a indisciplina?

A educadora Tatiane Santos faz um raio X do comportamento dos alunos neste retorno ao presencial. É preciso saber lidar com a indisciplina

Tatiane Santos* Publicado em 09/05/2022, às 09h41

A educadora Tatiane Santos e os filhos - Foto: arquivo pessoal
A educadora Tatiane Santos e os filhos - Foto: arquivo pessoal

Depois de os alunos passarem boa parte de 2020 e 2021 estudando à distância, em casa, este ano está sendo marcado pela retomada 100% presencial às salas de aula.

E não faltam desafios, tanto para eles como para os professores, após tanto tempo de ensino remoto em virtude da pandemia.   A rotina escolar se dividiu entre o ensino presencial e híbrido. Enquanto de um lado há jovens que tiveram dificuldades em se adaptar às aulas remotas e à perda de convivência escolar, de outro existem aqueles que se moldaram muito bem à nova realidade e hoje possuem receio de voltar à rotina presencial. 

O primeiro ponto a ser pensado é que neste momento os sentimentos deverão ser acolhidos, e a maneira como isso será feito será primordial para tudo o que virá depois. Diversos são os motivos para o acolhimento, nossas crianças passaram por experiências de luto próximas a elas, de familiares, amigos e pessoas conhecidas, e as perdas vividas precisam ser tratadas de maneira especial.

Veja também

Diante desse quadro, também devemos pensar na saúde mental do professor, e em como será esse planejamento para a vida escolar novamente.

Neste momento, os pais devem ser um grande aliado da escola, e essa aproximação é fundamental para que tudo dê certo, tanto em relação aos cuidados necessários para que a pandemia se mantenha controlada, como para que as questões emocionais das crianças possam ser trabalhadas.

Mas, para isso ser possível, é necessário um trabalho conjunto de toda a comunidade escolar, para superar as dificuldades enfrentadas. Desse modo, os professores precisam dar atenção especial ao vínculo com os alunos e trabalhar as competências socioemocionais,  pensando no desenvolvimento da empatia e da responsabilidade na tomada de decisões.

Desde a retomada das aulas, educadores e pais constataram um aumento expressivo na indisciplina de crianças e adolescentes, com desrespeito às regras e o não cumprimento das tarefas escolares.

E se antes existia uma expectativa pelo retorno da convivência com os colegas, muitos agora apresentam dificuldade em socializar pessoalmente. Hoje, muitos estão passando ainda mais tempo no celular durante o intervalo, além da própria indisciplina de usar o aparelho em sala de aula.

Por causa desses dados, as escolas e as famílias devem falar a mesma língua e terem valores semelhantes; o educando aprende sem grandes conflitos e não joga a instituição contra a família ou vice-versa.

A integração entre escola e família é de fundamental importância para que ocorra disciplina centrada em valores sociais, éticos e culturais de uma sociedade contemporânea comprometida com saberes adaptados com a realidade. À escola e à família cabe a função mais nobre de construir um quadro de referência dos saberes científicos, culturais, éticos, dando sentido ao conhecimento levando para o cotidiano do aluno.

Sem uma interação entre os familiares e a escola, nos momentos de indisciplina, a tendência é que o problema se agrave, já que o aluno pode normalizar o mau comportamento.

Portanto, tenha uma comunicação eficiente com os pais para que eles sejam parceiros da escola. O incentivo e suporte deles farão toda diferença no aprendizado e crescimento do aluno.

Nesse momento, as reuniões de pais e professores serão necessárias, elas devem informar os pais sobre o desempenho dos filhos, tanto em relação às notas quanto ao comportamento, envolvimento, dificuldades, etc.

Falar sobre a saúde mental para esse retorno, planejar atividades e eventos na escola que envolva a participação da família. Afinal, tanto a família quanto a escola desejam a mesma coisa: preparar as crianças para o mundo.

Por isso, neste momento de retorno tão difícil, família e escola precisam estar e pensar juntos em ações para a indisciplina e falta de empatia entre crianças e adolescentes.

Que mundo queremos? Fica a reflexão para vocês leitores.

*Tatiane Santos é educadora, autora do livro Super Black, o poder da Representatividade, e mãe de 2 meninos. @pretinhaeducadora

ColunistasTatiane Santos - Pretinha Educadora