Papo de Mãe
Papo de Mãe

Atletas refugiados conquistam o público nas Olimpíadas. Conheça outras histórias no Papo de Mãe sobre Refugiados.

Roberta Manreza Publicado em 11/08/2016, às 00h00 - Atualizado às 06h30

None
11 de agosto de 2016


Clarissa Meyer – Portal Papo de Mãe

A equipe de atletas refugiados vem conquistando o público brasileiro. Muito aplaudidos na abertura das Olimpíadas, o grupo de dez atletas foi formado com a finalidade chamar a atenção do mundo para o problema dos refugiados.

Os dez integrantes da inédita Equipe Olímpica de Atletas Refugiados, composta por dois nadadores sírios, dois judocas congoleses, um maratonista etíope e cinco corredores sul-sudaneses, tiveram de deixar seus países devido às guerras e crises humanitárias e hoje vivem no Brasil, Alemanha, Quênia, Luxemburgo e Bélgica.

Popole Misenga, judoca de 26 anos, é um desses atletas. Nascido na República Democrática do Congo, ele saiu de sua cidade natal, Kisangani, onde aprendeu judô, aos 9 anos, fugindo da guerra. Em 2013 pediu asilo ao Brasil e passou a treinar em uma escola coordenada por Geraldo Bernardes, mesmo técnico da campeã olímpica Rafaela Silva nos Jogos do Rio. Seu sonho era participar de uma Olimpíada.

Nesta quarta-feira (10), Misenga fez sua segunda luta depois de ter vencido na estreia, mas acabou perdendo para o atual campeão mundial da sua categoria, o sul-coreano Donghan Gwak. O reconhecimento veio do público. O atleta deixou o tatame ovacionado.

refugiadosjudo

Créditos: Estadão Conteúdo

O Papo de Mãe já fez um programa contando a história de famílias refugiadas que escolheram o Brasil para recomeçar a vida. Veja a seguir:

Leia também:




DestaquesDiversosHomeNotícias