Papo de Mãe
Papo de Mãe

Outubro Rosa: 10 mitos e verdades sobre o câncer de mama

Desodorante, sutiã apertado e prótese de silicone causam câncer? No mês de conscientização sobre a doença, o oncologista Raphael Brandão conta quais os principais fatores de risco e dúvidas acerca do tema.

Roberta Manreza Publicado em 07/10/2020, às 00h00 - Atualizado às 11h23

None
7 de outubro de 2020


Por Raphael Brandão*, oncologista
Desodorante, sutiã apertado e prótese de silicone causam câncer? No mês de conscientização sobre a doença, o oncologista Raphael Brandão conta quais os principais fatores de risco e dúvidas acerca do tema

Segundo levantamento mais recente realizado pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA), até o fim deste ano, mais de 60 mil mulheres terão câncer de mama no Brasil. Estima-se que uma em cada oito mulheres que viveram até os 75 anos de idade serão diagnosticadas com algum tipo de tumor na mama, e existem muitos mitos sobre as causas da doença. Para esclarecer algumas das principais dúvidas, o oncologista Raphael Brandão, da Clínica Fisrt, pós graduado pelo Dana-Faber Cancer Institute, em Harvard, respondeu algumas perguntas:

1.Você terá câncer apenas pelo histórico familiar?

R: Existem padrões de herança familiar em muitas formas de câncer, porém as formas mais comuns de câncer são, em 90% dos casos, não relacionados à fatores genéticos. Mais importante ainda, mesmo se um câncer é genético, não significa necessariamente que você vai ter câncer. Ainda não sabemos por que determinados pacientes terão um câncer, enquanto outros membros da família com genética e exposição ambiental semelhantes não.

2. Câncer simplesmente acontece, não há nada que você possa fazer para evitá-lo?

R: Cerca de 80% a 90% dos casos poderiam ser evitados se alguns hábitos da rotina da população fossem mudados. Hábitos saudáveis, estilo de vida, exercícios e dieta. Exercícios físicos e hábitos alimentares saudáveis, evitando o excesso de açúcar e alimentos processados, reduzem as chances de câncer.

3. Alimentos podem prevenir ou curar câncer?

R: As pessoas pensam que há um alimento ou um tipo de alimento que pode resolver todos os seus problemas e reduzir o risco de câncer, porém, não há evidências científicas que comprovem isso. Até o momento, o que se sabe é que frutas e vegetais coloridos, grãos integrais e fontes saudáveis de proteínas como o peixe e feijão compõem uma dieta saudável.

4. Sutiã apertado pode causar câncer de mama? E sutiã com haste de metal?

R. Os sutiãs não causam câncer de mama. O especialista ressalta que o mito sobre o uso do sutiã já é falado há anos, mas não existe nenhuma comprovação na literatura médica que mostre que o uso da peça, a cor, ou o material com que ele é feito, influenciem no desenvolvimento da doença.

5. Quem tem prótese de silicone é mais propenso a desenvolver câncer de mama?

R. Próteses de silicone não são fator de risco para o desenvolvimento do câncer de mama, porém podem dificultar o diagnóstico da doença. Além disso, a literatura médica descreveu nos últimos 20 anos “raríssimos casos de linfoma anaplásico de grandes células (ALCL)” em portadoras de próteses, explica o médico. O câncer de mama é uma doença que acomete a glândula mamária, sobretudo seus dutos e lóbulos. “O implante de silicone é um dispositivo que é utilizado com finalidade estética e pode ser colocado atrás da glândula mamária ou atrás do músculo peitoral maior.”

6. Desodorantes causam câncer de mama?

R. As pessoas acreditam que se você não pode suar, suas toxinas se acumulam e podem potencialmente causar câncer. Isto é um mito. O que tem sido estudado é a presença de substâncias potencialmente cancerígenas nos desodorantes. Tais como alumínios e os ftalato de dietila. Os ftalatos podem ter a capacidade de imitar o estrogênio, de induzir a proliferação celular de células cancerígenas. Esses estudos são preliminares, e servem de atenção para todos nós.

7. Açúcar é o maior vilão da dieta contra o câncer?

R. A obesidade é a maior vilã. Sabendo que o açúcar é um dos grandes causadores da obesidade, podemos relacionar. A obesidade não possui apenas um único mecanismo de ação no câncer de mama. Além de aumentar o stress oxidativo, o estado inflamatório, o que interfere diretamente na ação das células do sistema imunológico. O excesso de gordura promove uma maior produção de estrogênio, que também sabidamente pode aumentar o risco de câncer de mama, por exemplo.

8. Se você tem câncer, você deve evitar esforço físico?

R. Cada vez mais temos evidências científicas robustas sobre o efeito benéfico dos exercícios físicos nos pacientes com câncer. Isto é um mito. O que tem sido estudado é a presença de substâncias potencialmente cancerígenas nos desodorantes. Tais como alumínios e os ftalato de dietila. Os ftalatos podem ter a capacidade de imitar o estrogênio, de induzir a proliferação celular de células cancerígenas. Esses estudos são preliminares, e servem de atenção para todos nós.

9. Metástase é uma sentença de morte?

R. Muitas pessoas pensam que o câncer é incurável, apesar de todo o dinheiro que foi investido em décadas de pesquisa. E embora o câncer possa ter um diagnóstico devastador, não é impossível a cura. Novas pesquisas em imunoterapia, por exemplo, permitem dar esperanças para os pacientes.

10. A minha imunidade nunca mais será a mesma após eu passar por tratamento de quimioterapia?

R. Sua imunidade nunca mais será a mesma se você não cuidar da sua saúde física, mental e espiritual. Quem melhorar sua imunidade, independente se fez ou não quimioterapia? Pratique atividade física, coma saudável, evite açúcares e refrigerantes. Cuide do seu sono. Controle os níveis de stress. Coma fibra, cuide do seu intestino. Práticas simples melhoram sua saúde e previne uma série de doenças, incluindo o câncer.

*Sobre o Dr. Raphael Brandão

Raphael Brandão é oncologista clínico especializado no Dana-Farber Câncer Institute pela Harvard Medical School. Liderou a área científica do Hospital Oswaldo Cruz e do Grupo Oncoclínicas. Foi Diretor Executivo de Oncologia do UnitedHealth Group no Brasil por três anos, e tricampeão do Prêmio Merrit Award da Sociedade Americana de Oncologia. É autor e coautor de dezenas de artigos científicos e colunista da Revista Veja. Foi um dos médicos fundadores do Missão Covid. É idealizador dos projetos Médico do Futuro e Tudo Sobre Saúde.tss. Atualmente é Diretor da Área de Oncologia do Hospital Moriah em São Paulo, Chefe da área de Oncologia da Clínica JB Oncologia, e fundador da Clínica First.

http://www.clinicafirst.com.br



DicasHomeNotícias