Papo de Mãe
Papo de Mãe
» CRÔNICA

As obras na cidade, o sapatênis e a lagarta

Uma crônica do psicanalista Paulo Bueno, um papo de pai, sobre as obras na cidade

Paulo Bueno* Publicado em 29/06/2021, às 11h07

Pedro, de 5 anos
Pedro, de 5 anos - Foto: arquivo pessoal

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades. A vontade mais recente é a de tirar fotos durante as caminhadas, que já se tornaram hábito. Enclausurados desde o início da pandemia, tínhamos mesmo que sair do casulo em algum momento. Nessas saídas veio a ideia da fotografia. Com o celular na mão, Pedro vai capturando as imagens que lhe interessam.

Dia desses, nos deparamos com o cadáver de uma lagarta estatelado no caminho. O frescor do defunto indicava que foi morte matada. Minha intuição dizia que o assassino era um desses sapatênis que, aos montes, lotam as calçadas de Pinheiros. Há um atenuante, entretanto. Todos sabem que o sapatênis está sempre distraído, a passos curtos e céleres nunca vê quem está à sua frente. Andam em blocos de quatro ou cinco pares, sempre em direção à Faria Lima, segurando seus smartphones. Por isso aperto bem a mão do garoto quando estamos na rua, para que não tenha o mesmo destino da lagarta.

Passada a primeira impressão, comecei a trabalhar sobre a hipótese de que não se tratasse de um simples caso de homicídio culposo, talvez houvesse ali a intenção de dolo contra o inseto indefeso. Eu não podia ignorar que, além dos sapatênis, havia uma porção de sapatos assumidamente sociais, que sabem onde e em quem pisam. Nessas circunstâncias, a investigação não seria tão simples. Mesmo porque, sapatos sociais são influentes e mantêm boas relações com as togas e com os coturnos. Além disso, outra questão que se impunha era saber se foi serviço encomendado ou se foi realizado com as próprias mãos, digo com os pés.

Veja também

Deveria considerar, também, que havia alguns poucos mocassins, que jamais poderiam ser descartados. É um tipo dissimulado, cujos passos em falso sempre trazem desconfiança. Os pés descalços, que se multiplicaram na região desde o início da pandemia, estavam definitivamente descartados. Sabem o chão que pisam e respeitam quem tá embaixo.

A luz do flash interrompeu minhas elocubrações investigativas. Como todo bom fotógrafo, o garoto sacou de sua câmera e clicou rapidamente. Não fez nenhum comentário e seguimos.

Após algumas semanas, passeávamos pela rua quando, de repente, Pedro parou, olhou pro chão e exclamou “olha papai!”. “Olhar o que?”. “Você não está vendo?”, perguntou-me. Sem compreender do que se tratava retruquei: “ver o quê? Não tem nada aí menino”. “Isso mesmo, a lagaita que estava aqui naquele dia, que foi outlo, não está mais. Selá que tilalam?”. Para não estender a conversa, respondi “Não sei filho. A gente viu já faz umas quatro semanas. Dificilmente estaria aí até hoje”. Continuamos o trajeto. Observei que seu olhar e pensamento divagavam e perguntei sobre o que refletia. Respondeu-me que achava que a lagarta tinha virado borboleta e que, portanto, deveríamos ir atrás dessa borboleta.

Ele procurou determinado, enquanto eu pensava sobre a transformação que estava sofrendo o bairro. Nossa querida livraria, a Fnac, deu lugar a uma colossal rede de planos de saúde, melancolizando ainda mais a paisagem, que é composta basicamente por grandes edificações. Contrastando com os edifícios, sempre houve pequenas construções térreas que abrigavam os mais diversos comércios, de lojas de variedades a restaurantes de comida caseira. Os sapatênis adoram esses restaurantes, fazem até fila. Eu gosto mesmo é do cheiro, cheiro de batata frita, de feijão e de salitre. Mas evito comer.

Essas casinhas já não existem mais. Derrubaram tudo: as lojinhas, os restaurantes e o salitre. No lugar, obras. Pedro as registra em imagem, eu as registro sonoramente. Uma sinfonia de marretas: agudo, grave, médio, de manhã, à tarde, à noite. É a nova canção de ninar. A atmosfera é ocupada pela poeira, em substituição ao delicioso aroma que vinha dos pratos que comiam os sapatênis. Estes, por sinal, estão em menor número, o que é bom. Dividem espaços com calçados esportivos e – pasmem! – com chinelos e Crocs. O home office impera. Menos para aqueles que, com suas botinas, só fazem barulho: os operários, mestres de obra e engenheiros.

As máscaras, sempre cirúrgicas, nos protegem contra o vírus e contra a poeira das obras. Mas não são eficazes contra a poluição visual. Continuamente vemos novidades: cimento, botinas e caminhões de todo tipo – caminhão-pipa, caminhão plataforma, basculante – nenhum passou despercebido pela câmera do pequeno fotógrafo. Os guindastes são um espetáculo à parte, sempre paramos para assistir. Placas de obras também são alvos. A naturalidade com que ele observa e registra me ajuda a elaborar o fato evidente de que todo o mundo é composto por mudança.

Por fim, prestes a chegar em casa, Pedro gritou: “papai, papai! Olha, um boiboleita! A gente achou, eu sabia que ela não tinha molido [morrido]”. Ela voou e se foi. Linda. As lagartas, assim como as cidades, se metamorfoseiam, e nós, pais, também nos transformamos quando saímos do casulo.

*Paulo Bueno: Pai do Pedro, de 5 anos. Psicanalista, mestre e doutor em Psicologia Social pela PUC-SP e docente do Instituto Gerar Psicanálise, Perinatalidade & Parentalidade.

ColunistasPaulo BuenoPapo de Pai