Papo de Mãe
Papo de Mãe
» PARENTALIDADE

O respeito às mães e aos pais

Mães e pais muitas vezes erram tentando acertar. E tudo bem.

Anna Mehoudar* Publicado em 02/10/2021, às 07h00

Pais e mães merecem ser compreendidos e não julgados
Pais e mães merecem ser compreendidos e não julgados

Erros e acertos no cuidado com as crianças são inevitáveis. Acertar sempre, pode ser entendido como da ordem do impossível. Desde a gestação a criança responde às iniciativas dos pais e aponta caminhos. E quando pai e mãe conseguem finalmente se tranquilizar em relação a alguma conquista junto à criança, novas habilidades, avanços e recuos pedem por uma nova compreensão, por uma nova rotina. A plasticidade da criança - sua curiosidade, suas conquistas, sua disposição para ler o mundo e se comunicar com os adultos de referência - é um desafio diário para mães e pais.

Uma gestante se preparou por meses para o parto, com todos os recursos conhecidos. Como o bebê continuava sentado, ela fez exercícios, sessões de acupuntura e insistiu em posições que supostamente favoreceriam a virada da criança. Depois de algumas tentativas ela desistiu de seu sonho por um parto “normal”, ponderando que por algum motivo o bebê não queria ou não podia assumir uma posição cefálica. O mais importante seria respeitar a criança e lidar com a sua frustração.

Assim como outros cuidados, o banho ou o umbigo por exemplo, há sempre alguma tensão em cortar as unhas dos bebês. Uma mãe consegue cortar as unhas de sua bebê enquanto vai nomeando cada dedo e mostrando como faz. Ela apostou na possibilidade de a filha entender o que estava fazendo, e deu certo...

Assista ao Papo de Mãe sobre Culpa Materna

O incômodo de pais e mães também pede alternativas de manejo. Depois de algum tempo dormindo com o bebê na mesma cama, pai e mãe, incentivados pela experiência de outros pais, decidiram colocar o filho para dormir no berço. E para a sua surpresa, todos conseguiram dormir muito melhor!

Uma outra mãe ficou aliviada quando soube que não precisava mais colocar luvas nas mãos de sua bebezinha de 2 meses. Desinformada, ela acreditava que crianças podem adquirir mal hábitos, como aquele de chupar o dedo. Colocar as mãos na boca é um sinal de saúde nessa idade; os bebês têm interesse em explorar o mundo e esse interesse começa pelo corpo da mãe enquanto mama, e depois passa pelo seu próprio corpo quando conseguem coordenar mãos e boca. Privar uma criança dessa exploração é impedir que faça uma experiência importante.  

Independente das verdades transitórias da medicina, algumas crianças ficam satisfeitas quando mamam em apenas uma mama, enquanto outras precisam que a segunda mama seja oferecida. O importante é verificar se há uma boa pega e se a sucção é nutritiva. Assim a mulher se protege de informações contraditórias.

Pequenos desafios marcam novas conquistas, e alguns pais e mães se surpreendem quando a criança consegue dormir no berço, começa a gostar de novos alimentos, volta a dormir após alguns resmungos, não chora para ficar no berçário, e chora no colo da avó. Algumas famílias precisam de mais tempo para apostar em hábitos que apontam na direção de sua autonomia.

Bebês gostam de tomar iniciativas e ficam triunfantes quando conseguem se apropriar de novas habilidades. Tirar a meia de um pé, com o outro pé, pode se tornar uma boa brincadeira. Da mesma forma as crianças ficam radiantes quando conseguem repetir sons e sonoridades, soltar objetos no chão que “obrigam” os pais a pegá-los. As crianças aprendem com as repetições, e boas brincadeiras tendem a ser repetidas um sem-fim de vezes, assim como acontecerá mais tarde, com as boas histórias.  

Veja também

Desde pequenos os bebês podem entender que as fraldas ficam em uma gaveta, as roupas em outra e que alguns brinquedos podem ficar no chão. Depois poderão ajudar a guardar os brinquedos e a colaborar com os cuidados com a casa. Músicas inventadas pelos pais ou de seu repertório familiar e cultural podem marcar algumas rotinas, com alegria.

Todo cuidado é pouco para a criança não perder a espontaneidade e começar a fazer caras e bocas para atender adultos que insistem em fotografá-la ou filmá-la. Criança gosta de ser levada a sério, gosta de conversar, de testar as suas teorias sobre o funcionamento do mundo, e dos objetos a sua volta.

Aceitar as iniciativas e as invenções dos pais, das mães e dos bebês nem sempre é fácil, mas é válida a experimentação quando nos relacionamos com pessoas em formação.

anna
Anna Mehoudar

*Anna Mehoudar, Psicanalista - Gamp.21 (Grupo de apoio à maternidade e paternidade)

ColunistasAnna Mehoudar