Papo de Mãe
Papo de Mãe
» INFÂNCIA

O brincar para os adultos: como gerenciar o tempo sem se sentir sobrecarregado

Pedagoga dá dicas para pais e cuidadores na hora de brincar com as crianças, momento necessário para a criação de vínculo e confiança

Redação Papo de Mãe Publicado em 20/09/2021, às 17h48 - Atualizado às 18h34

As brincadeiras de crianças exigem tempo dos adultos
As brincadeiras de crianças exigem tempo dos adultos

Como se conectar com seu filho através da brincadeira, e ainda assim não se sentir sobrecarregado com as tarefas do dia a dia? Certamente não existe uma resposta mágica para essa questão, no entanto, é uma dificuldade que muitos pais, mães e cuidadores sentem ao decorrer da rotina, afinal de contas, o brincar é extremamente importante e necessário, e fazer parte dele é uma forma de estar próximo da criança.

Além de contribuir para o desenvolvimento como um todo, é brincando que as crianças exercitam as suas capacidades emocionais, motoras e sociais, além de aprender valores como dividir brinquedos e resolver conflitos. Por isso, a brincadeira acompanha dos pais também é bastante valiosa, principalmente quando falamos de conexão afetiva.

Segundo explica Sibele Guimarães, coordenadora da Educação Infantil do Colégio Marista Paranaense, o brincar que a família oferece em casa é um espaço de muita aprendizagem, é uma ação que potencializa o desenvolvimento da criança e amplia conhecimentos.  “É por meio da brincadeira que pais e filhos se conectam, por meio da diversão proporcionada nesse momento os adultos têm a oportunidade de saber mais sobre como seus filhos enxergam o mundo e se colocam nele” diz ela.

Mas se o contato com a brincadeira é tão importante, como aliar esse momento na rotina louca do dia a dia? Para a pedagoga, existem algumas dicas valiosas de transformar essa situação em algo mais simples de se resolver, e, principalmente, com um olhar voltado à saúde mental dos pais, que muitas vezes se sentem esgotados com a demanda.

Confira algumas dicas a seguir:

Veja também:

 o brincar dos pequenos
Estar lado a lado com as crianças nas brincadeiras traz uma interação positiva para pais e filhos.

Deixe a criança ser a sua guia

"As crianças, como todos nós, gostam muito de falar sobre as coisas pelas quais se interessam. Fazer perguntas sobre o universo em que se situa o seu videogame favorito ou deixar que elas expliquem a brincadeira que as deixa felizes, envolve uma mudança da dinâmica cotidiana em que os pais explicam as coisas e elas ouvem. Mostre-se interessado e aproveite o momento para ver como ela se expressa e articula suas ideias", explica a pedagoga.

Estabeleça seus limites

Sibele Guimarães diz que é importante que haja um diálogo entre adulto e criança, e que assim, os pequenos entendam que seus cuidadores não podem estar 100% do tempo disponível para brincar. 

"Vocês podem estabelecer uma rotina, como um momento para brincar depois do fim do seu expediente no trabalho, ou a noite dos jogos no sábado, por exemplo. Vivenciar a expectativa de um momento prazeroso será importante para a criança", ressalta.

Procure um meio-termo

Nem todo pai, mãe ou cuidador se sente à vontade com todos os tipos brincadeiras. Por exemplo, é comum que alguns não gostem de jogar videogames ou brincar de casinha, por isso, encontrar um meio-termo é essencial. "Pode ser um jogo de tabuleiro, atividades manuais artísticas ou algo mais agitado, como danças e esportes", exemplifica.

Revezem-se para escolher a brincadeira

"Esse é um bom jeito de ensinar a criança que os relacionamentos interpessoais são construídos sobre trocas", aponta Sibele, que endossa que crianças precisam aprender a ceder, já que faz parte de qualquer convívio social.

"Nem sempre a família vai estar disposta a embarcar na mesma brincadeira que ela e saber lidar com isso a deixará mais preparada para resolver esse tipo de impasse em outros ambientes de socialização", afirma.

Cuide de si

A rotina de pais e cuidadores já é por si só muito cansativa, especialmente quando se trata de crianças menores, que exigem mais tempo e atenção dos adultos. A pedagoga ressalta a importância do autocuidado. Aceitar o cansaço e não se cobrar é um ótimo caminho para começar.

"Procure tirar tempo para cuidar de sua saúde física e mental e peça ajuda para as atividades da casa. Explique isso à criança, quando a sua relação é de parceria e confiança ela irá entender que valerá a pena esperar e que, mais tarde, vocês terão momentos especiais juntos", finaliza.


Acompanhe as dicas do Papo de Mãe no canal do Youtube e se inscreva:

Siga as nossas outras redes sociais:

Instagram: @papodemaeoficial l Twitter: @papodemae l Facebook

HomeNotíciasCriançaPrimeira Infânciadestaquenoticia