Papo de Mãe
Papo de Mãe

NOTAS SOBRE VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS

pmadmin Publicado em 11/04/2011, às 00h00 - Atualizado às 01h48

11 de abril de 2011


• Segundo um estudo da ONG Plan Internacional, o custo da violência nas escolas brasileiras pode chegar a 943 milhões de dólares ao ano. O relatório alerta que muitas escolas se transformaram em lugares perigosos para crianças. Na opinião de 84% dos estudantes que participaram da pesquisa feita em 6 capitais o ambiente escolar é considerado violento.• De acordo com um relatório da UNESCO, metade dos professores de São Paulo já sofreu ameaças de agressão. O estudo mostrou ainda que a violência é uma das principais razões do abandono prematuro dos estudos. Além disto, muitos professores também desistem da profissão depois de agressões e ameaças.• Para o Ministério da Educação, uma alternativa para reduzir a violência das salas de aula é o programa “Escola Aberta”. O projeto abre as escolas públicas para a comunidade nos fins de semana para atividades de cultura, lazer e esportes. Este é o resultado de uma parceria entre o MEC e as Secretarias Estaduais e Municipais de Educação. • O professor tem a responsabilidade de comunicar às autoridades competentes qualquer caso suspeito de violência ou maus tratos contra estudantes com menos de 18 anos. Inclusive, existe um projeto federal, o “Escola que Protege”, que qualifica professores através de universidades selecionadas pelo Ministério da Educação, cujo objetivo é prevenir e romper o ciclo da violência contra crianças e adolescentes no Brasil. A principal estratégia da ação é o financiamento de projetos de formação continuada de profissionais da educação da rede pública de educação básica, além da produção de materiais didáticos e paradidáticos nos temas do projeto. Outras informações podem ser obtidas no site www.portal.mec.gov.br.UTILIDADE PÚBLICAAssociação de Gaucher promove evento para esclarecer tratamentoEncontro em São Paulo reúne especialistas internacionais para debater os medicamentos disponíveis no Brasil para tratar a doença2010 foi um ano difícil para os portadores da Doença de Gaucher. A principal medicação disponibilizada pelo Ministério da Saúde (MS) deixou de ser fornecida, por causa de problemas na fabricação do remédio, e poucos foram os pacientes que conseguiram na Justiça o direito a outra opção terapêutica. Para 2011, as expectativas são melhores apesar de nem todos os problemas dos pacientes terem sido resolvidos. No dia 16/04, haverá uma reunião entre as 15 associações estaduais de Gaucher com a finalidade de serem estabelecidas diretrizes que garantam o direito ao acesso a todos os tratamentos disponíveis para a doença1ª Mesa Redonda Internacional dos Tratadores de GaucherData: 16 de abril – Horário: 8h30 às 17h30 – Local: Pullman Ibirapuera Hotel-  Rua Joinville, 515 – Vila Mariana – São Paulo/SP.