Papo de Mãe
Papo de Mãe

Críticas ao peso de ginasta reacendem discussão sobre preconceito e ditadura da magreza

Roberta Manreza Publicado em 24/08/2016, às 00h00 - Atualizado às 07h52

None
24 de agosto de 2016


Por Roberta Manreza,

Dados BBC Mundo

Getty Images

“Fiquei triste sim, doeu. Não sou um robô que não sente nada”, Alexa Moreno/ Getty Images

Temos falado muito nos últimos dias sobre a importância de criar hábitos saudáveis desde a infância. É a motivação olímpica que tomou conta de todos nós e não podemos perder o foco agora com o fim da Olimpíada. Precisamos, desde cedo, incentivar os pequenos a praticarem esportes e comerem de forma correta. E também devemos manter estas atitudes na adolescência e na vida adulta. O sedentarismo e a alimentação inadequada são as principais causas do aumento da obesidade infantil. Mas atenção com os excessos.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a obesidade infantil atingiu nos últimos anos níveis preocupantes, ameaçando a saúde das crianças e reduzindo a estimativa de vida. Estima-se que hoje uma em cada três crianças brasileiras apresentem sobrepeso. Como evitar este mal? Pesquisas apontam que filhos de mães ativas têm 60% mais chances de praticar alguma atividade física. Quando ambos os pais mantêm uma vida ativa, o número sobre para 80%.

Outro grande perigo da obesidade está em não colocar limites na alimentação dos filhos. Pais que não impõem limites na alimentação dos filhos, permitindo alimentos calóricos e guloseimas a qualquer hora, estão estimulando um comportamento nocivo. O ideal é evitar lanches fora de hora e estipular apenas um dia por semana para as guloseimas.

Ok. Concordo com tudo. Cabe aos pais darem o exemplo e somos nós que compramos o que será oferecido para nossos filhos. Não adianta nada ficar largada no sofá devorando tudo quanto é porcaria e exigir uma postura totalmente diferente do filho. Ok. Procuro fazer tudo isso em casa, a história de dar o exemplo, até para o meu próprio bem. Mas tem dia, confesso, que é difícil, impossível mesmo, ter força de vontade para praticar algum exercício e me alimentar corretamente. Nas maioria das vezes, adoro comer de forma saudável, para mim não é uma obrigação mesmo! E me sinto ótima depois de ir para a academia. As exceções fazem parte e sou totalmente defensora do equilíbrio.

Tento fazer isso sempre com a minha filha Juliana, de 13 anos, até para não criar nela uma “ditadura da magreza” e o “tiro sair pela culatra”. Distúrbios alimentares são graves também e o objetivo, na minha opinião, sempre foi e sempre será a saúde e não uma imposição de padrão de beleza.

Digo tudo isto porque fiquei indignada como a ginasta mexicana foi criticada por seu peso. Voltando aos Jogos Olímpicos. Na véspera de seu aniversário, Alexa Moreno realizou o sonho de participar de sua primeira Olimpíada depois de 19 anos de treinamento. Depois de sua apresentação, a jovem de 22 anos se transformou em um dos assuntos mais comentados nas redes sociais de seu país.

Mas o motivo não foi o fato de ela ter sido a única mulher a representar o México na modalidade nos Jogos do Rio. E também não foi por ter se classificado no 12º lugar entre as melhores do mundo na categoria salto. Os mexicanos decidiram discutir o peso de Moreno, por acreditar que ela estava “gorda” – a ginasta chegou a ser comparada com a personagem principal do desenho animado infantil Peppa Pig.

No dia de seu aniversário, ela acabou lendo as centenas de comentários negativos e sarcásticos, apesar das advertências de sua irmã para não checar suas contas nas redes sociais. “Fiquei triste sim, doeu. Não sou um robô que não sente nada”, desabafou a ginasta. Segundo ela, esta foi a primeira vez que recebeu tantos comentários negativos sobre sua aparência.

A atleta diz ter consciência de que não estava no peso ideal. Ela sofreu uma lesão muscular três semanas antes dos Jogos, o que afetou a intensidade de sua rotina de treinamento. Moreno, que tem 1,47m de altura, disse que há três anos seu peso oscila entre 52 e 54 quilos, sete a mais do que o peso que aparece em seu perfil no site oficial das Olimpíadas.

A ginasta acredita, porém, que seu peso não teve nada a ver com o desempenho nas provas. “Não cometi nenhum grande erro. E, na verdade, fiquei surpresa por ter ido tão bem em todas as modalidades”, explicou. Depois de tantas críticas nas redes sociais, Moreno decidiu se manifestar em sua conta no Twitter e enviou uma mensagem de agradecimento a todos os que aplaudiram sua presença na Rio 2016.

“Sou mexicana e brilho como uma mexicana. Não podem esperar ver uma loira”, escreveu.

Como eu disse anteriormente, vamos ter atenção aos excessos e pegar mais leve!!!

Papo de Mão recomenda:

Assista ao Papo de Mãe sobre bullying

Papo de Mãe sobre preconceito

Papo de Mãe sobre Transtornos Alimentares




ColunistasRoberta ManrezaDestaquesHome