Papo de Mãe
Papo de Mãe

Mães escrevem cartas aos filhos, mas não são correspondidas

Roberta Manreza Publicado em 11/05/2015, às 00h00 - Atualizado às 14h08

None
11 de maio de 2015


Voluntárias do programa Escreve Cartas, do Poupatempo, contam que são frequentemente procuradas por mães para enviar cartas aos filhos, mas dificilmente aparece um filho interessado em enviar uma carta para a mãe

Poupatempo São Paulo

A professora aposentada Nancy Rost Gazola, de 77 anos, já escreveu centenas de cartas para pessoas que a procuram no Poupatempo de Itaquera, onde trabalha desde 2009 como voluntária no programa Escreve Cartas, inspirado no filme ‘Central do Brasil’.

Milton Michida/Governo de São Paulo

Milton Michida/Governo de São Paulo

Muitos a procuram para escrever cartas para programas de televisão, mas, quando se trata de enviar cartas ou encomendas para parentes, quem mais escreve são as mães, principalmente para filhos que estão presos.

“O coração da gente fica apertado”, conta a voluntária, ao explicar o que sente quando as mães de detentos começam a ditar palavras de amor para os filhos.

Nancy já escreveu uma carta também para um pai que prometia visitar o filho preso em uma cidade do interior paulista. “Ele pedia desculpas por não ter dinheiro para enviar ao filho, mas dizia que o amava, o que muitos pais em geral não conseguem dizer.”

Segundo a voluntária, o programa não é procurado apenas por analfabetos ou pessoas com deficiência que não conseguem escrever, mas também por cidadãos humildes que se sentem envergonhados ou inseguros quanto à própria caligrafia.

“Muitos temem que a letra possa não ser entendida, especialmente quando precisam escrever o nome e endereço do destinatário e do remetente nas encomendas que pretendem postar nos Correios”, explica.

Embora as mães sejam as maiores frequentadoras do Escreve Cartas, os voluntários do programa contam que raramente aparece um filho interessado em escrever para a mãe.  

“A gente sabe que não vai resolver o problema de quem escreve, mas de alguma forma estamos ajudando, ao ouvir e retransmitir por escrito os sentimentos das pessoas para os seus familiares”, comenta a voluntária Sandra Lia, de 62 anos.

Escrivã aposentada do Tribunal de Justiça de São Paulo, Sandra conta que se interessou pelo trabalho de escrever cartas como voluntária ao assistir do longa-metragem ‘Central do Brasil’, de Walter Salles Jr., que concorreu ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 1999.

No filme, a atriz Fernanda Montenegro faz o papel de uma mulher que cobra para escrever das pessoas que passam pela estação ferroviária do Rio de Janeiro. “Eu saí do cinema convicta de que é isso que eu queria fazer na vida”, conta Sandra, que logo se inscreveu para trabalhar como voluntária no programa Escreve Cartas do Poupatempo. “Tenho facilidade na escrita e não preciso nem escrever rascunho, já escrevo de primeira e sem nenhuma correção.”

Uma das mães que costumam procurar o Poupatempo de Itaquera para pedir ajuda das voluntárias do Escreve Cartas é a cuidadora de idosos Elisabete Pozzi, de 56 anos. Ela escreve pelo menos uma vez por mês para o filho de 28 anos que está preso desde 2009 por roubo de um telefone celular. “Aqui a gente é tratada com respeito”, comenta ela.

As voluntárias jamais se recusam a atender os pedidos e nem comentam as mensagens ditadas, a não ser que sejam solicitadas a ajudar a formular as frases.

Muitos escrevem para programas de TV que cativam a audiência ajudando os telespectadores que solicitam. A vendedora de lanches Sandra Regina Patrício esteve no Poupatempo Itaquera para escrever para um programa pedindo ajuda para a irmã que mora no Nordeste. A carta comoveu a voluntária Nancy Gazola: “Achei bonito porque ela não pediu ajuda para ela, mas para a irmã.”

O ajudante geral Gileno Dias Chaves, de 39 anos, aposentado por problemas de saúde, é outro assíduo usuário do programa Escreve Cartas. Ele comparece ao Poupatempo Itaquera duas vezes por semana, às segundas e quartas, às 7hs, para escrever cartas para a Federação Espírita de São Paulo desejando boas vibrações para parentes, amigos, vizinhos e até para os voluntários do programa.

Outros assuntos comuns nas cartas são reclamações contra empresas enviadas ao Procon – Serviço de Proteção ao Consumidor.

O programa Escreve Cartas foi criado em novembro de 2001 nos postos do Poupatempo de Santo Amaro e Itaquera, que estão em áreas com maior concentração migrantes e pessoas de baixa renda. Atualmente, também presente nas unidades de São Bernardo do Campo e Osasco, na Grande São Paulo, o programa, que funciona durante todo o horário de atendimento dos postos, conta com 189 voluntários e já soma mais de 310 mil atendimentos.

O programa já recebeu vários prêmios e desperta o interesse de estudantes e pesquisadores. O estudante de jornalismo Luiz Flavio Malheiros Soares, da Unitau, de Taubaté, trabalha atualmente em uma tese de conclusão de curso sobre o Escreve Cartas, que ele conheceu ao ler um texto na página do Poupatempo em uma rede social. “Achei o trabalho muito interessante e resolvi conhecer a fundo o trabalho dos voluntários”, comenta o estudante de 20 anos.

Quero ser voluntário

Para quem ficou interessado em conhecer mais ou ser um voluntário no programa, o Poupatempo Santo Amaro abre 16 vagas, em diversos dias e horários, em turnos de duas horas semanais. Para se inscrever, basta comparecer ao espaço do Escreve Cartas do Poupatempo Santo Amaro, que fica na Rua Azul do posto, ou ligar para (11) 2859-3124.

As inscrições podem ser feitas entre os dias 6 e 15 de maio, durante todo o horário de funcionamento da unidade, e o processo seletivo ocorre no sábado, dia 16, das 9h às 12h. Quem for selecionado passará por uma capacitação no sábado seguinte, dia 23, também das 9h às 12h.

Serviço

Santo Amaro (inscrições abertas e atendimento ao público)
Localizado na Rua Amador Bueno, 258 (próximo ao Largo 13 de Maio e ao Terminal Rodoviário de Santo Amaro), o Poupatempo Santo Amaro atende de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h, e aos sábados, das 7h às 13h.

Itaquera (atendimento ao público)
O Poupatempo Itaquera fica na Av. do Contorno, 60 (ao lado da Estação Corinthians – Itaquera do Metrô) e atende de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h, e aos sábados, das 7h às 13h.

São Bernardo do Campo (atendimento ao público)

O Poupatempo São Bernardo do Campo fica na Rua Nicolau Filizola, 100 – Centro e funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h, e aos sábados, das 7h às 13h.

Osasco (atendimento ao público)

A unidade de Osasco do Poupatempo atende na Av. Hilário Pereira de Souza, 664 -Vila Iara (Próximo à Av. dos Autonomistas e à Estação Presidente Altino da CPTM), e o horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, e aos sábados, das 8h às 14h.




DicasFamíliaMãe / PaiHomeRelação com a Família