Papo de Mãe
Papo de Mãe
» BOMBOU POR AÍ

Mãe nigeriana amamenta enquanto faz prova na pós-graduação e foto viraliza

A mamãe nigeriana Ijeoma fez prova do curso de pós-graduação amamentando seu bebê, postou a foto em rede social e viralizou. O pediatra Moises Chencincki, colunista do Papo de Mãe, comenta

Por Dr.Moises Chencinski Publicado em 26/04/2021, às 00h00 - Atualizado às 13h36

Foto da rede social de Ijeoma
Foto da rede social de Ijeoma - (Foto: Arquivo Pessoal / Reprodução)

Esse foi o relato de Onyedikachi-Nwalozie Marlene Ijeoma, uma mãe nigeriana, no Facebook (com fotos), que viralizou e virou manchete: “A mãe amamenta o bebê em um braço, enquanto faz os exames (provas).” Mais uma vez, a amamentação e, principalmente as mulheres, parecem “surpreender” o mundo.

A notícia dá conta que o bebê de Ijeoma chorava, que o pai tentou acalmá-lo sem conseguir, pediu aos vigilantes que levassem a criança até a mãe que estava fazendo prova de Pós-Graduação. Ela o recebeu, amamentou, ele acalmou após um suspiro e ficou no colo por 2 horas (até o final da prova).

E eu pergunto:

– Onde está a novidade?

– Em um bebê chorar quando tem fome e querer mamar?

– Em um bebê que mamou se acalmar?

– Em uma mãe amamentar seu filho quando esse chora de fome?

– Em uma mulher multitarefas que faz sua pós-graduação?

Isso acontece todos os dias, todas as horas, a cada minuto, em todos os lugares do mundo, e vai continuar a acontecer enquanto houver mulheres, mães, bebês e a amamentação existir e for “permitida” (??????).

Leia também

O protagonismo da amamentação deve ser da mãe e do bebê

Talvez as grandes diferenças dessa situação, para nossa cultura, estejam nos detalhes da notícia:

Ela revelou que depois de o pai ter tentado tanto acalmar a criança com vários passos de dança, ele teve que dar o bebê aos vigilantes que o trouxeram até ela.

Imediatamente o coloquei no peito, ele soltou um longo suspiro e parou de chorar.”

Chama a atenção sua rede de apoio: o pai que tentou acalmar o bebê com passos de dança (o que deveria ser culturalmente natural).

Além disso, a atitude dos vigilantes que levaram o bebê que chorava até a mãe não perece ter acontecido porque há uma lei que permite que isso ocorra e sim… porque é o que deveria acontecer. A lei? A da natureza.

E assim que ficamos por 2 horas até eu terminar o exame”.

Ijeoma, a mãe, fez os exames enquanto amamentou e segurava seu bebê por 2 horas inteiras, sem que fosse sequer questionada, pela segunda vez na vida dela, em uma prova (mestrado e doutorado). Ela revelou que já tinha passado pela mesma situação em 2016, quando teve que segurar sua filha em um braço, enquanto escrevia seus exames de mestrado.

E seu comentário final no post do Facebook revela a triste, cruel realidade da desigualdade e da inequidade:

Esta vida é mais difícil para uma mulher que busca uma carreira”.

Conhece alguma história parecida?

*Dr.  Moises Chencinski , pediatra, homeopata e colunista do Papo de Mãe Presidente do Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade de Pediatria de São Paulo (2016 / 2019 – 2019 / 2021). Membro do Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade Brasileira de Pediatria (2016 / 2019 – 2019 / 2021). Autor dos livros HOMEOPATIA mais simples que parece, GERAR E NASCER um canto de amor e aconchego, É MAMÍFERO QUE FALA, NÉ? e Dicionário Amamentês-Português Editor do Blog Pediatra Orienta da Sociedade de Pediatria de São Paulo.
Criador do Movimento Eu Apoio leite Materno.

ColunistasMoises ChencinskiDestaquesBebêHomePrimeira Infância