Papo de Mãe
Papo de Mãe
» Guarda Compartilhada

Entenda como funciona a guarda compartilhada de animais de estimação

O advogado Guilherme Galhardo explica as responsabilidades em relação aos animais nos casos de divórcio com guarda compartilhada

Redação Papo de Mãe Publicado em 20/04/2022, às 06h00

Imagem Entenda como funciona a guarda compartilhada de animais de estimação

O fim de qualquer relacionamento sempre resulta na divisão de bens, propriedades e da guarda de filhos, mas cada vez mais também tem acarretado uma partilha dos cuidados de animais de estimação. Segundo o advogado Guilherme Galhardo, embora não haja uma Lei específica para essa situação, alguns cenários podem ser tão complicados quanto a custódia de crianças.


Uma conjunção geralmente complexa devido ao carinho que os donos dos animais desenvolvem pelos bichinhos, como se eles realmente fossem seus filhos. Logo, durante a decisão da guarda se prioriza bastante um convívio de igualdade entre ambos os adultos a fim de proporcionar uma relação de harmonia entre todos os envolvidos”, diz Galhardo.

​O advogado também explica que atualmente existe no Senado Federal o Projeto de Lei nº 542/2018, que dispõe sobre a custódia compartilhada dos animais de estimação nos casos de dissolução do casamento ou da união estável. “No entanto, o projeto ainda aguarda a designação de um relator.”

Veja também:

​Outro fator importante é que a tutela só pode ser dividida quando os animais em questão forem sencientes (como cachorros e gatos). Outras espécies – vacas, cavalos etc. – devem ser tratados como propriedade e, portanto, não podem ser objeto de guarda compartilhada e precisam, obrigatoriamente, ser tratados como propriedade.
​Diante desse cenário, as partes podem estabelecer as questões da guarda de maneira amigável, porém, nas situações em que o casal não chegar a uma conclusão, nem mesmo através de uma audiência de tentativa de conciliação, caberá ao juiz responsável decidir sobre a questão.


​“Sendo levado em consideração as necessidades dos animais e as possibilidades dos tutores, como condições financeiras e os espaços em que o animal está acostumado a morar. A guarda ainda pode ser alternada, com a mesma quantidade de dias na casa de cada um e com os gastos arcados pelas partes, sem divisão.”, informa Galhardo.

Quem é Guilherme Galhardo Antonietto?
Graduado em direito pela Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão Preto, Guilherme Galhardo Antonietto é especialista em direito civil pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG) e também possui título de Mestre em Direito pela Universidade de Araraquara. Atualmente, Galhardo é palestrante e professor de direito civil. Também é advogado-sócio no escritório Galhardo Sociedade de Advogados e atua como colunista da coluna ‘Papo Jurídico’ do site Migalhas.

Acompanhe o Papo de Mãe nas redes sociais:

Instagram: @papodemaeoficial l Twitter: @papodemae l Facebook