Papo de Mãe
Papo de Mãe
» ALIMENTAÇÃO

De olho no bem-estar social dos pequenos: como as relações impactam na alimentação

A nutricionista Gisele Pavin explica como o social impacta nas escolhas e hábitos alimentares das crianças. Mãe de três, Patrícia Aragone dá seu relato

Maria Cunha* Publicado em 27/10/2021, às 19h26 - Atualizado em 28/10/2021, às 12h19

Comer é um ato social
Comer é um ato social
Oferecido por:


Qual a relação entre nutrição e bem-estar social? Em entrevista ao Papo de Mãe, a nutricionista Gisele Pavin inicia lembrando que a comida está presente de diversas formas em nossas vidas e não apenas no simples ato de se alimentar pelas necessidades básicas, como matar a fome e nutrir o corpo com nutrientes importantes para a manutenção da energia, disposição e saúde. Gisele pontua que comer é também um ato social.

"Sempre que vamos nos encontrar com amigos e familiares, uma das primeiras coisas que nos vem a cabeça é ‘o que vamos comer?’. Portanto, a comida tem um papel importantíssimo no bem-estar social”, explica a nutricionista.

Assim, Gisele Pavin relata como as relações sociais afetam os hábitos alimentares e a rotina, já que, segundo ela, as refeições são muitas vezes utilizadas para nos conhecermos, convivermos, partilharmos e comemorarmos acontecimentos.

“Normalmente, pessoas que foram criadas num contexto familiar onde existia o hábito de realizar as refeições em horários programados, compartilhando a mesa com a família, tendem a se alimentar melhor”, conta.

Sugestão: Assista ao Papo de Mãe sobre alimentação equilibrada na infância

Além disso, a nutricionista explica que a alimentação também é uma forma de aprendizado, relação e comportamento. A partir disso, se queremos melhorar a nutrição e os hábitos à mesa, precisamos conversar sobre o assunto, adotar novas rotinas, negociar e envolver as crianças ativamente no processo, para que se tornem adultos mais conscientes sobre suas escolhas alimentares.

“A quantidade de comida que ingerimos e as escolhas alimentares que fazemos são influenciadas, quer por fatores internos, como as atitudes perante aos alimentos, quer por fatores externos como o contexto social onde ocorre o comportamento”, conta Gisele.

A nutricionista ainda comenta a existência de pesquisas que demostram que, muitas vezes, a criança ou adolescente possui uma forma de se alimentar em casa, com os pais, e outra forma quando está no contexto social com os amigos. Com isso, Gisele Pavin reforça que nós somos influenciados pelo comportamento de outras pessoas que estão no nosso convívio social.

Veja também

Sobre a possibilidade termos uma alimentação saudável em ambientes como festas infantis e casa de amigos, a nutricionista é enfática: adotar uma alimentação saudável é adotar um estilo de vida saudável.

“Participar do convívio social com amigos e festas infantis faz parte da vida de todos nós, e se permitir comer aquele docinho, pedaço de bolo ou salgadinho, não quer dizer que você não é saudável. Você não faz isso todos os dias. O grande segredo na verdade, é algo muito simples: equilíbrio”.

Gisele ainda explica que as pessoas precisam olhar a alimentação como um todo, ou seja, como elas se comportam na maioria dos dias, o que consomem e a quantidade que consomem e deixa claro que o sentimento de culpa não pode existir.

Crianças saudáveis

Para incentivar um estilo de vida saudável nas crianças, a nutricionista reforça a importância do diálogo ente pais e filhos, já que os responsáveis devem negociar e envolver as crianças e os adolescentes ativamente no processo de escolhas alimentares.

“Os produtos industrializados fazem parte da nossa alimentação e não podemos generalizar que tudo o que é industrializado faz mal à saúde. Certamente que os alimentos in natura devem ser estimulados a serem consumidos, principalmente porque temos dados que demonstram que as crianças brasileiras não consomem frutas regularmente e nas porções recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS)", conclui.

Papo de Mãe: o que pensa Patrícia Aragone

Patrícia Aragone é dentista e mãe de três: Caio, 16, João, 12, e Maria Julia, 5. Assim como a nutricionista Gisele Pavin, Patrícia acredita que o segredo de uma boa alimentação é o equilíbrio.

“Meus filhos, durante a semana tem uma rotina alimentar, principalmente por almoçarem na escola todos os dias. O restaurante de onde estudam proporciona uma alimentação balanceada e incentiva as crianças experimentarem alimentos de todos os tipos”, conta a dentista.

Ela ainda explica que, como as refeições são realizadas no restaurante do colégio, a comida é a mesma para todos, o que faz com que não haja a comparação entre os lanches e o surgimento de vontades diferentes.

“Tento oferecer no jantar o mesmo tipo de comida, claro que não com as mesmas opções da escola, mas confesso que, em alguns dias atípicos, tanto o horário quanto a alimentação fogem um pouco da rotina”, diz Patrícia.

Sobre quebrar a rotina, a mãe de Caio, João e Maria Julia, conta que quando os filhos estão junto com os amigos é comum que comam mais “besteiras”, como ela afirma. Patrícia ainda complementa cometando ser impossível controlar a alimentação dos filhos e garantir que ela seja saudável quando eles estão na casa de amigos ou em festas infantis.

“Não me estresso com isso. Até dou uma liberada, pois nesses ambientes é muito difícil controlar. Tenho três filhos e são muitas festinhas e casa de amigos, eu ficaria louca se tentasse ser muito rígida em relação a isso”.

A dentista conclui dando a sua perspectiva sobre a alimentação saudável na infância. Em sua opinião, as crianças se alimentarem bem é essencial para ingestão de vitaminas e nutrientes, principalmente nesse período tão importante de crescimento, além de ajudar muito no fortalecimento do sistema imunológico.

“Mas também acho que isso não pode se tornar um sacrifício ou martírio para as crianças, pois aí a hora da comida não será prazerosa”, finaliza a dentista Patrícia Aragone.

Os três filhos de Patrícia
Os três filhos de Patrícia: Caio, João e Maria Julia, e o cachorro Zeca

*Maria Cunha é repórter do Papo de Mãe

**O Programa Nestlé por Crianças Mais Saudáveis é uma iniciativa global da Nestlé, que assumiu o compromisso de ajudar 50 milhões de crianças a serem mais saudáveis até 2030 no mundo todo. Desde 1999 foram beneficiadas mais de 3 milhões de crianças no Brasil. 

Com o lema “muda que elas mudam”, a partir de uma plataforma de conteúdo, o programa estimula famílias a adotarem hábitos mais saudáveis e ainda promove um prêmio nacional que ajuda a transformar a realidade de 10 escolas públicas por ano com reformas e mentorias pedagógicas. 

Conheça mais no site do programa

AlimentaçãoComportamentoDesafios / DilemasEntrevistasNestlé por crianças mais saudáveisSaúde