Papo de Mãe
Papo de Mãe
» Agressividade infantil

Comportamento agressivo em crianças: saiba como lidar

A pediatra Fernanda Viana, do Saúde4kids, explica o que fazer quando a criança grita e bate. Como ensinar os pequenos a passar por frustrações de uma forma calma e tranquila.

Papo de Mãe* Publicado em 20/05/2021, às 17h16

Criança que grita e bate
Criança que grita e bate

As crianças pequenas enfrentam situações que as desagradam sem saber como lidar. Cabe aos pais, mães e cuidadores ensiná-las.  

Todos os adultos e adolescentes passam por frustrações, e por mais difíceis que sejam,  aprenderam a encará-las. Eles ficam descontentes também, mas o comportamento, a reação é mais adequada. A criança pequena grita e bate. Ela tem crises de agressividade. 

O que fazer? Como o pai, a mãe e os cuidadores devem agir e mostrar à criança que é melhor ter calma e tranquilidade em momentos como esses. 

Fernanda Viana, pediatra do Saúde4Kids, conta que toda a casa tem regras. Regras para os adultos e regras para as crianças. Ela explica: "A criança pequena não vai aprender só de observar. O pai, a mãe e o cuidador precisam ensiná-la. Quando a criança não é ensinada, ela desconhece e pode reagir de uma forma agressiva". 

Segundo a pediatra, a primeira dica é passar como você quer que a criança se comporte dentro daquela família e fora de casa. "O adulto tem que ser forte e firme. Ele não precisa ser bravo, não precisa ser autoritário. Tem que falar de forma calma e tranquila", orienta Fernanda. 

Já quando duas crianças se desentendem, a colunista do Papo de Mãe diz para, inicialmente, deixá-las para resolverem sozinhas. Os adultos não devem entrar na discussão. Se uma delas começou a ter um comportamento agressivo, aí sim, é hora de conversar. Expor que um não pode machucar o outro e falar sobre os sentimentos, o que as atitudes indesejadas causam. 

A pediatra lembra que os próprios pais não podem perder o controle. "Tudo feito calmamente, dizendo para eles não brigarem. A criança precisa saber, desde cedo, resolver suas situações de uma maneira amigável e sem agressividade. O adulto de mostrar que aquele comportamento não é o mais adequado e que existem outras formas de solucionar o problema", esclarece ela.  

Os pais não podem se irritar. Eles precisam demonstrar o comportamento que gostariam que os filhos tivessem.

Fernanda dá outra sugestão. Quando a criança tem uma reação adequada, quando ela consegue se controlar, deve entrar o reforço positivo. "Dê os parabéns para ela", sugere a médica. E mais, segundo ela, os pais nunca deve fazer ameaças que não irão cumprir. Isso gera desconfiança, insegurança e agressividade na criança. Para a pediatra, o adulto precisa controlar o próprio comportamento na frente dos pequenos. "É difícil a gente se segurar, mas com uma criança por perto é preciso ter um pouco de cuidado com o que se fala. Se está sendo pedido e exigido uma atitude, os pais também deve tê-la", pontua a colunista. 

A médica faz um alerta sobre os combinados com a criança. Eles devem ser cumpridos!" A gente impõe limites e acha que dá para flexibilizá-los, doí o coração, fica com dó, mas não dá para voltar atrás. Tem que aguentar firme. É assim que a criança vai aprender a lidar com os outros, na escola e a não ter comportamentos agressivos", relata Fernanda. A pediatra afirma que pode doer naquele momento, mas vai ajudá-la a viver melhor em sociedade. "Educar uma criança não é fácil, na verdade, é a tarefa mais difícil do mundo, mas uma vez que a gente estabelece a forma que vai fazer isso, tem que ser firme e tem que estar com o coração tranquilo", afirma Fernanda.

Assista ao vídeo da Dra. Fernanda Viana no Canal Papo de Mãe.