Papo de Mãe
Papo de Mãe
» SONO INFANTIL

Como fazer para seu bebê dormir bem

Consultora de sono infantil explica como a pandemia afetou o sono e quais práticas devem ser evitadas antes de dormir

Sabrina Legramandi* Publicado em 09/07/2021, às 16h16 - Atualizado em 10/07/2021, às 10h53

Muito tempo nas telas e alguns tipos de alimentos podem influenciar a qualidade do sono
Muito tempo nas telas e alguns tipos de alimentos podem influenciar a qualidade do sono

Você consegue fazer o seu filho dormir bem? Diversos estudos, como um realizado na Universidade de Queensland, na Austrália, mostram que ter uma rotina de sono durante a primeira infância é essencial para que a criança tenha um desenvolvimento saudável.

Não criar essa rotina pode acarretar, por exemplo, em transtornos como o TDAH ou em dificuldades de aprendizado no futuro. “O sono é importante para o desenvolvimento físico, emocional e cognitivo”, afirma Thayane Amabili Brasil, consultora de sono infantil e mãe do Nathan, de três anos.

Thayane começou a trabalhar com sono infantil justamente por ser mãe. Ela sempre tentou inserir uma rotina para que seu filho dormisse bem e, quando descobriu a especialização sobre o assunto, viu que isso ia de encontro a todos os seus interesses.

“Uma criança que dorme e se alimenta bem tem uma melhora no seu crescimento físico, além de uma capacidade de aprendizado melhor ao longo da vida” (Thayane)

Veja mais:

Confira quatro pontos para fazer com que seus filhos tenham uma rotina de sono mais tranquila:

1. Como a pandemia afetou o sono?

Para a consultora, a principal alteração durante a pandemia da Covid-19 está relacionada a uma mudança de rotina que afeta toda a família. Estar o tempo todo em casa fez com que os pais recorressem à maior inimiga de uma noite de sono tranquila: a tecnologia.

Thayanne afirma que deixar os filhos por horas em televisões, tablets ou celulares para distraí-las pode impactar muito na hora de dormir, principalmente quando isso acontece à noite.

2. Mas por que a tecnologia é tão prejudicial?

Um estudo do Centro de Pesquisa em Iluminação, em Nova York, mostrou que duas horas de exposição a dispositivos eletrônicos atrapalha o trabalho da melatonina, um dos hormônios responsáveis pelo sono, em 23%.

“A televisão, o celular e o tablet fazem com que o sistema neurológico da criança fique sempre ativo e processando as informações, porque a radiação emitida pelas telas não deixa o cérebro descansar”, afirma Thayane.

A consultora do sono afirma que o ideal para crianças pequenas é que o uso de telas pelos pequenos seja de, no máximo, uma hora por dia.

3. Quais são as dicas para fazer o bebê ter uma noite de sono melhor?

Thayanne resume as orientações principais em três: criar um ambiente tranquilo, ter bons hábitos e ter uma rotina estabelecida. Definir horários para se desconectar, para dormir e, até mesmo, para acordar, é essencial para o desenvolvimento e para o aprendizado da criança.

Alguns especialistas recomendam que, tanto para crianças quanto para adultos, é essencial se desconectar dos celulares e dos tablets cerca de uma hora antes de dormir. Além disso, também é importante deixar apenas as luzes fracas acesas 30 minutos antes de ir para a cama.

“Crianças que ficam muito conectadas, expostas a muita iluminação e a muita agitação noturna são mais propensas a desencadear distúrbios do sono, como o terror noturno", afirma Thayane.

4. Como a alimentação também influencia no sono?

Alguns alimentos, como bebidas cafeinadas, suco de laranja, chocolate, manteiga ou refrigerantes podem atrapalhar o sono tanto de crianças quanto de adolescentes.

Para ter um sono mais tranquilo, o ideal é sempre optar por consumir alimentos mais leves antes de dormir, como leite – materno ou de vaca –, frutas como banana ou abacate e iogurte.

“O sono envolve questões hormonais e alimentares também. Uma criança que não se alimenta bem, não dorme bem.” (Thayane)

*Sabrina Legramandi é repórter do Papo de Mãe

Confira o programa do Papo de Mãe sobre distúrbios do sono infantil:

DesenvolvimentoBebêPrimeira InfânciaSaúde