Papo de Mãe
Papo de Mãe

Baby Blues no Pós-Parto, consigo evitar?

Roberta Manreza Publicado em 11/07/2016, às 00h00 - Atualizado às 14h05

None
11 de julho de 2016


Por Gabriella Oliveira, consultora materna

Antes de falarmos sobre o Baby Blues (melancolia pós-parto, forma menos grave de depressão pós-parto), é importante ressaltar que esse é um comportamento involuntário. Não é frescura! Sim, muitas mulheres vivenciaram o baby blues e nem se deram conta do que estava acontecendo.

Nesta perspectiva, precisamos compreender as reações emocionais no período do pós-parto. É importante lembrar que mesmo quando não são colocadas para fora, as emoções estão presentes e agem. É importante que estejamos conscientes de sua existência. O parto é sem dúvida o maior fenômeno de impacto psico-físico-espiritual da vida de uma mulher.

O período do pós-parto quando visto a partir de uma perspectiva idealizada e irreal da maternidade, esperando uma mulher feliz, completa e que ame absolutamente o seu bebê, qualquer emoção ou sentimento que não corresponda a esse imaginário social, causará ruídos e o auto-julgamento à nova mãe.

O Baby Blues está associado a brusca queda de hormônio que ocorre no pós-parto, a mulher passa por um “deserto” hormonal. Esse deserto desencadeia excessos de sentimentos melancólicos que não são esperados pela mulher ou sua família após a chegada do bebê.

Espera-se uma mulher feliz, realizada, no melhor dos cenários associados a chegada de um bebê em casa. Mas nem sempre ocorre dessa maneira.

O choro “sem motivo”, o desânimo, fadiga, lapsos curtos de memória, ansiedade e a melancolia são alguns dos sintomas do Baby Blues, que podem durar até 20 dias. Caso persista, o médico de confiança da família deve ser informado.

Então, sendo o baby blues ocasionado pela mudança hormonal, não é possível preveni-lo. Assim como a tensão pré-menstrual, que pode ser vivida ou não pelas mulheres.

Com a presença e apoio do companheiro (a) e da família nessa fase, a nova mãe se sentirá segura e fortalecida, e todos os movimentos do baby blues poderão ser vividos com maior consciência e de forma mais leve, causando menos impacto nas relações familiares e no contato mãe-bebê.

Gabriella Oliveira

Consultora Materna, Instrutora de Shantala e Doula Pós-Parto

www.gabriellaoliveira.com.br

Assista ao Papo de Mãe sobre depressão pós-parto.

https://www.youtube.com/watch?v=OfyVHoR0fYg




Colunistas