Papo de Mãe
Papo de Mãe
» CRÔNICA

Aurora. Um Conto de Plinio Camillo

O escritor Plinio Camillo enviou este conto especialmente ao Papo de Mãe. Plínio é pai de Beatriz

Plínio Camillo* Publicado em 08/05/2021, às 00h00

O escritor Plínio Camillo
O escritor Plínio Camillo - (Foto: Reprodução Papo de Mãe)

A primeira vez que Aurora ouviu a Princesa Africana com lábios cor de fogo, não ligou para o aviso, achou uma imensa bobagem e, virando a esquina depois de ter roubado a calça jeans do marreteiro, deu de cara com o barrigão do guardinha. Por ter apenas onze anos, Aurora apanhou do policial, do delegado e da madrasta Lúcia. Já o pai entendia que a filha gostava de ser livre!

Obedecendo à princesa, telefonou para a polícia denunciando a madrasta Lúcia que, por ciúmes, tinha posto chumbinho no feijão para matar todos. O pai ficou muito triste, mas em dois palitos trouxe para dentro a outra madrasta Maria das Dores, que tinha cheiro de lápis de cor. O pai e a madrasta entendiam que Aurora gostava de ser livre.

Aurora com treze anos obedeceu à ordem da Princesa Africana com lábios cor de fogo de fazer a vida no Largo Treze. Ganhar uns trocados. Obrigação somente era: estar sempre limpinha, sorrir sempre depois de guardar o dinheiro e pensar, até saltar pelos olhos, em um imenso pavê de amendoim com leite condensado.

Princesa Africana com lábios cor de fogo consentiu que Aurora, com quinze anos, fosse com o Douglas, sem pagar, até o hotelzinho. Foi o dia em que ela ficou inundada de um imenso prazer e sem pensar no pavê. Casou com o moleque ali mesmo.

Princesa Africana com lábios cor de fogo só ficava vendo de longe: os roubos. Aurora ficar grávida, fugirem para São Miguel, voltarem com a bebezinha, frequentarem os atendimentos sociais, precisarem comprar fralda e fazerem sequestros em frente do Borba Gato.

Princesa Africana com lábios cor de fogo avisou que o tiro, trocado com os vigilantes do banco, seria fatal. Mas valia a pena. Sabia que o Douglas não sobreviveria e a madrasta Maria cuidaria da pequena Silvia, homenagem à educadora ruiva que sempre admirou!

*Plinio Camillo é escritor e pai de Beatriz.

Autor de :
NOTAS DE ESCURECIMENTO – Contos de Escrevivência – Colli Books
LUIZA – romance infanto-juvenil sobre uma negrX escravizada – Editora Kazuá
OUTRAS VOZES – coletânea de contos sobre o negrX escravizado no Brasil – 11Editora
O NAMORADO DO PAPAI RONCA – romance infanto juvenil – ProAC 2012 – Editora Prólogo – Selo Mundomundano
Entre outros …
Blog: Alfarrábios – http:| | pliniocamillo.wordpress.com|
Notas de Escurecimento – Gerações – https://www.youtube.com/pliniocamillo

ColunistasPlinio CamilloDestaquesHomeCriança