Papo de Mãe
Papo de Mãe

Amores na era digital

Roberta Manreza Publicado em 08/07/2016, às 00h00 - Atualizado às 11h37

None
8 de julho de 2016


Por Lelah Monteiro, sexóloga

Vinte e quatro horas sem o aplicativo de comunicação mais popular no Brasil, gerou um pânico coletivo.

Sim, estas são as manifestações atuais,tudo agora, tudo neste exato instante.

São cliques nas mais diversas situações e, claro, que a intimidade também tornou-se virtual,

estamos na era dos nudes.

Antigamente, nude era um tom de cor, hoje sinônimo de fotos íntimas, de provocação, de matar a saudade, de ferramentas de conquista ou até, a última cartada num relacionamento morno ou que nunca foi.

Mas vamos lá! Toda esta demanda tecnológica, em muitos casos, acaba sendo um tiro pela culatra: fotos clonadas, vinganças de relações mal resolvidas.

Sabe-se hoje que quem recebe e repassa, ou faz mal uso de imagens que não são suas, constitui-se crime virtual, mas quando se viraliza, leva a fama, podendo ter outros prejuízos irreparáveis.

Na atualidade os nudes estão em voga principalmente entre os adolescentes. Aí vale ainda mais o cuidado, pois a sociedade ainda é conservadora e se as fotos caem na rede, estes jovens passam a sofrer o bullying social.

Como terapeuta de casal, tenho visto esta prática de forma salutar, como um esquenta para o reencontro, o aperitivo sensorial e visual do que pode vir. É um jogo de exibicionismo e voyeurismo íntimo, livre e que aguça a algo que não pode ser naquele momento.

É válido? Claro que é. São ferramentas novas de algo muito antigo. É a antiga namorada que se deixa ver, em momentos não tão íntimos, aqui e ali, aguçando o que será depois.

Os cuidados, são sempre os mesmos. Ver e apagar. Criptografar. Mas que é válido é.

No meio da reunião de negócios, ele se vê surpreendido pela imagem dela/dele em um nude digno de revista erótica. Ele desconcerta, mexe e remexe para depois ver melhor a imagem com mais calma e aí sua mente se teletransporta para toda aquela promessa que é tão material na tela de seu smartphone quanto o poster da revista erótica antiga.

Ferramentas assim são novas para se fazer coisas que não são novas: são nossa vida. O erótico e o sensual. O sexual e a promessa dele.

O século é XXI mas os protagonistas são os mesmos de sempre. Maior parte do próprio século XX vez que os deste século ainda não deveriam ou não devem estar nessa fase ainda.

Mas é o sinal dos tempos. Todas as ferramentas são válidas para o casal ser feliz. E a informática é mais uma ferramenta, como outra qualquer. Todavia, ela tem características todas próprias como a capacidade de ser imediata, com qualidade de imagem e que, com imaginação, levam o outro lado a um estado tal e qual de excitação que o objetivo é realmente rapidamente alcançado.

Houve frisson quando uma artista disse que remetia nudes para seu amado. Mas, será que a mensagem é tão diferente do quanto dizer que toma um banal banho diante dele?

Sim, é. Ali o elemento surpresa, a produção e outros recursos a transformam na musa ideal. Quem não fez nude, começa a pensar em fazer e quem já o faz acredita que está na linha certa.

Mas a informática e a transmissão de dados não precisam parar por aí. Permite-se a remessa de mensagens sonoras, gifs, filmes e outras formas de expressão de maneira muito boa e, principalmente, como já dito, com a absoluta surpresa de seu interlocutor(es).

E tudo isto não se restringe só a isso. Já no século passado eram corriqueiras as exposições em cams, os chats, os sites de relacionamento e tudo o mais que na verdade, é uma mera ferramenta do que é mais antigo do homem e que o permitiu chegar da idade da pedra até o século XXI: o sexo e suas formas de conquista. Só que ao invés de uma paulada na cabeça, usa-se um nude e aguça o que deve ser aguçado.

Chegue para lá com suas crenças arraigadas: a era digital chegou em tudo, até no seu relacionamento e já que é um fato, relaxe e goze.

Lelah Monteiro

Sexóloga, Psicanalista, Palestrante, Master Coach, Fisioterapeuta, Educadora e Terapeuta Sexual,Terapeuta de casais e familia, Sexóloga da Rádio Globo.www.lelahmonteiro.com.br
(11) 7892-3116 | (11) 9 9996-3051



ColunistasFamíliaMãe / Pai