Papo de Mãe
Papo de Mãe

Alimentação inadequada pode causar asfixia em crianças. Saiba o que fazer

Roberta Manreza Publicado em 02/06/2017, às 00h00 - Atualizado às 09h26

None
2 de junho de 2017


Por Dr. Carlo Crivellaro*, Pediatra

Segundo o último estudo do Programa Vigilância Eletrônica Nacional
Americano, realizado entre 2001 a 2009, 12.400 mil crianças, de 0 a 14
anos de idade, foram atendidas em pronto-socorro por asfixia, o que
significa 34 ocorrências por dia. Balas duras foram responsáveis por 15%
dos episódios, seguidos de outros doces (13%), salsicha (12%) e ossos
(12%). De acordo com a pesquisa, 55% dos casos ocorreram com meninos, e as
crianças de 0 a 4 anos apresentaram a maior taxa de asfixia relacionada a
alimentos.

As crianças são dotadas de reflexos naturais involuntários que as
protegem contra a aspiração de alimentos durante a deglutição. Tosse,
fechamento da glote e reflexo de vômito são exemplos dessa defesa
natural. Por volta de 6 a 8 meses de idade, os primeiros dentes (os
incisivos) começam a aparecer, e até cerca de 18 meses, os primeiros
molares, responsáveis pela mastigação e moagem dos alimentos, já
nasceram.

Apesar de todo preparo natural, as crianças são mais suscetíveis a
engasgos do que os adultos, porque há algumas limitações que as tornam
mais vulneráveis. A força do ar gerado pela tosse de uma criança é
menor do que a força exercida por um adulto, fazendo com que esse reflexo
seja menos eficaz para desalojar uma obstrução parcial das vias aéreas.

Outro aspecto diz respeito à maturidade do processo de mastigação e
deglutição: embora os dentes já estejam presentes, as habilidades
mastigatórias maduras levam mais tempo para estarem plenamente
desenvolvidas. Se somarmos esses aspectos ao reduzido diâmetro das vias
aéreas superiores dos pequenos, entendemos melhor porque as crianças têm
risco aumentado de engasgos e asfixia.

Fatores comportamentais também podem aumentar o risco. Algumas atitudes
durante o ato de comer, como caminhar, correr, conversar, rir, comer
rapidamente ou ainda encher muito a boca com comida elevam as
possibilidades de obstrução das vias aéreas.

Quais alimentos são mais perigosos?

– Alimentos com formatos ovalados, arredondados ou cilíndricos são os
campeões para o risco de asfixia, por apresentarem o mesmo diâmetro das
vias aéreas superiores de uma criança.

– Alimentos duros que exigem maior trituração e moagem também são mais
perigosos, devido à pouca capacidade de mastigação plena dos pequenos.

– Alimentos pastosos e pegajosos, que “grudam” nas paredes da garganta,
também podem obstruir as vias aéreas e reduzir a passagem de ar.

Sendo assim, os adultos devem ter muito cuidado ao oferecer alimentos que
se encaixam nessas categorias:

– Salsichas e linguiças;
– Amendoins, sementes, nozes e outras castanhas;
– Pipoca;
– Pasta de amendoim, cream cheese, requeijão ou outros do gênero;
– Balas e chicletes;
– Pedaços grandes de carnes e queijos duros;
– Marshmallows;
– Salgadinhos (principalmente os duros como a batata e similares).

Especialmente para os menores de 2 anos, além dos alimentos acima,
atenção especial aos abaixo listados:

– Uvas inteiras ou uva passa;
– Casca de fruta e frutas duras cruas (como a maçã e a pera verde);
– Vegetais duros crus e verduras cruas;
– Alimentos em forma de cordão (exemplo: broto de feijão, espaguete,
verduras cortadas em tiras como repolho ou couve).

Como muitos dos alimentos citados são importantes na dieta alimentar das
crianças, eles não precisam ficar de fora. Basta um cuidado especial na
forma de apresentação para que não haja risco de engasgo. Uvas cortadas
na longitudinal (no sentido do comprimento), vegetais duros (como
cenouras), cortadas em palitos (no formato de batata frita) e picar bem
alimentos na forma de cordão são alternativas para que não haja
exclusão de alimentos nutritivos, e tampouco situações perigosas durante
a refeição.

O que fazer?
Em caso de obstrução parcial da via aérea, a criança irá chorar ou
tossir, o que é bom sinal, pois pode acabar expelindo o alimento. Só
tente tirar algo da boca da criança se você estiver visualizando o
alimento. Caso a tosse não seja suficiente para expulsar o alimento,
procure ajuda médica urgente, devido ao risco de se tornar uma obstrução
completa.

Em caso de obstrução completa, inicialmente, a criança ainda estará
consciente, mas sem emitir nenhum som e sem conseguir tossir, e pode ter os
lábios arroxeados. Em crianças menores de 1 ano, coloque rapidamente a
criança de barriga para baixo, com a cabeça um pouco mais baixa que o
nível do corpo, e apoie a cabeça. Dê 5 golpes firmes nas costas da
criança com a sua mão aberta, e cheque rapidamente a boca (se o alimento
saiu) e a respiração. Caso a obstrução continue, vire a criança de
barriga para cima e faça 5 compressões fortes no peito. Se ainda estiver
obstruída, vire novamente de barriga para baixo e repita o processo.

Obstruções completas em crianças maiores de 1 ano são tratadas como em
adultos, com a manobra de Heimlich. Posicione-se atrás da criança, o
corpo dela levemente inclinado para a frente. Coloque uma mão com o punho
fechado pouco acima do umbigo, na “boca do estômago”, e a outra mão
aberta sobre a mão fechada. Aplique 5 compressões fortes e bruscas no
abdômen, e veja se o alimento saiu. Pode repetir a manobra, se
necessário. Lembre-se de pedir ajuda imediata do SAMU, mesmo que seus
esforços pareçam dar resultados.


Dr. Carlo Crivellaro e Pediatra com Título de Especialista em Pediatria
pela Sociedade Brasileira de Pediatria; Membro da Sociedade Brasileira de
Pediatria; e Membro da Highway to Health International Healthcare Community




AlimentaçãoAmamentação / AlimentaçãoColunistasHome0 a 2 anos3 a 8 anosSaúde