Papo de Mãe
Papo de Mãe
» TRATAMENTOS

Alergias infantis: quais são as mais comuns e como tratá-las?

As alergias infantis são controláveis e as crianças podem ter qualidade de vida e se desenvolver de forma saudável

Dra. Jessica Loekmanwidjaja* Publicado em 15/02/2022, às 16h58

Os diferentes tipos de alergias e os mais comuns atualmente
Os diferentes tipos de alergias e os mais comuns atualmente

As alergias são um verdadeiro terror na vida das mamães de crianças durante a primeira infância. Muitas delas ocorrem na fase em que o bebê ou a criança ainda não conseguem se comunicar, o que dificulta ainda mais a identificação e o diagnóstico inicial pelos pais.

Mas é preciso saber e entender que as alergias são comuns e frequentes em crianças e que as mais comuns são as de pele e alimentar, inclusive é preciso ressaltar que 30% das alergias consideradas graves são provenientes da ingestão de alimentos, sendo que os mais frequentes são ovo, leite de vaca, amendoim, castanha, trigo, soja, peixe e camarão.

As alergias alimentares em bebês podem se manifestar de diversas formas, incluindo ganho de peso inadequado, lesões de pele como dermatite atópica e urticária, diarreia crônica (quando se manifesta por mais de um mês seguido) com sangue ou muco, além de sinais de refluxos recorrentes.

Mas há quem também sofra de uma alergia muito comum nas grandes cidades, com níveis de poluição acima da média, que são as alergias respiratórias. Dentre as mais comuns está a alergia a poeira, proveniente de ácaro doméstico.

Assista ao Papo de Mãe sobre problemas respiratórios. 

Esses processos alérgicos muitas vezes decorrem de questões genéticas e podemos sim afirmar que é algo hereditário. Neste caso, se o pai ou a mãe sofre de alergia crônica, a chance de o bebê desenvolver o mesmo problema é de 30%. Se ambos tiverem problemas com alergia, a chance é maior e passa para 70%. Entretanto, no que diz respeito a correlação entre baixa imunidade e alergia não é verdadeiro. Não há nenhuma relação comprovada em estudos que faça essa associação.

A Associação Brasileira de Alergia e Imunologia traz alguns esclarecimentos sobre os diferentes tipos de alergias e os mais comuns atualmente.

Asma – Estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS), a asma atinge cerca de 235 milhões de pessoas em todo o planeta. Só no Brasil, a doença afeta aproximadamente 20% das crianças e adolescentes. Estudos apontam que a asma é responsável pela morte de dois milhões de pessoas no mundo.

Responsável pela quarta causa de internação e pela morte de duas mil pessoas por ano no Brasil, a asma é definida como uma obstrução brônquica, geralmente ocasionada por um processo inflamatório. A asma pode ser alérgica e não alérgica. A mais comum e que atinge principalmente as crianças é a asma alérgica, desencadeada pelos alérgenos inalantes como poeira, ácaros, fungos e pólen.

Rinite Alérgica – Não é contagiosa e os sintomas são crises de espirros, coriza clarinha, coceira no nariz (podendo atingir também os olhos, ouvidos e a garganta) e entupimento nasal.

Uma criança com pais alérgicos terá aumentada de 50% a 70% a chance de desenvolver uma doença respiratória, inclusive rinite alérgica. No Brasil, um estudo do International Study of Asthma and Allergies in Childhood (ISAAC) mostrou frequência média de 12,5% de rinite entre crianças de 6 e 7 anos e de cerca de 20% em adolescentes com idades de 13 a 14 anos. A incidência progride até a adolescência, fase da vida em que pode afetar até 25% da população.

Dermatite Atópica – É mais comum na infância e cerca de 60% dos casos ocorrem no primeiro ano de vida, com melhora gradual até o final da infância. Caracteriza-se por um processo inflamatório da pele com períodos alternados de melhora e piora. Não é contagiosa, tem carácter genético, e, é comum preceder a asma e a rinite.

Alergia Alimentar – No Brasil, não há estatísticas oficiais, porém, a prevalência parece se assemelhar à literatura internacional, que mostra cerca de 8% das crianças com até dois anos de idade sofrendo algum tipo de alergia alimentar, que se trata de uma resposta exagerada do organismo a determinadas proteínas presentes nos alimentos. Envolve um mecanismo imunológico e tem apresentação clínica muito variável, com sintomas que podem surgir na pele, sistema gastrointestinal, respiratório e/ou cardiovascular. As reações podem ser leves, com simples coceira nos lábios, até mais graves, incluindo comprometimento de vários órgãos e potencial risco de óbito.

É sempre importante diagnosticar as alergias e tratar corretamente com um especialista. Evite sempre oferecer medicamentos por conta própria, incluindo pomadas e cremes. Um acompanhamento médico faz toda a diferença, já que é possível diagnosticar corretamente o problema e tratar da forma mais eficaz.

Veja também:

O esforço vale pena, pois diversos tipos de alergias (como dermatite e rinite) vão diminuir a qualidade de vida dessas crianças. São noites de sono mal dormidas, coceiras intensas que afetam a concentração e, consequentemente, o desenvolvimento correto no aprendizado, por exemplo.  

Vale ressaltar que todas as alergias são controláveis e o objetivo sempre é que as crianças tenham vida normal, qualidade de vida e possam se desenvolver de forma saudável. Um conselho que posso sugerir é sempre procurar um especialista a qualquer sinal de alergia em seu filho. Quanto mais rápido o diagnóstico, mais eficaz será o tratamento e o sucesso dele também!

*Dra. Jessica Loekmanwidjaja

Pediatra, Alergista e Imunologista

Instagram @drajessicaloek

BebêCriançaSaúde