O Portal
da Vida em Família
11/04/2021

BBB das contradições: Por que o reality show nunca teve um cadeirante no programa?

Compartilhe a matéria

Mesmo com tantas reformas, a casa do BBB não é adaptada para pessoas com deficiências. “Sou cadeirante e me incomoda ter que ficar “encontrando bons motivos” para justificar a minha presença nos espaços. Direitos não devem ser justificados”, afirma  o jornalista Raphael Preto Pereira, repórter do Papo de Mãe. 

Por Raphael Preto Pereira*

Dizem que a Globo escolhe os participantes do BBB a dedo. E partindo da definição dos confinados faz até uma novelinha. Quem assiste ao programa 24 horas por dia no Globoplay diz que é “outro programa”, eu não gosto do BBB. Vejo muito pouco de “reality” neste reality.

Não vejo nada de “realidade” em um programa que prende e vigia pessoas em uma casa com piscina, academia, sauna e uma festa nababesca por semana. Os confinados também têm a chance de ganhar prêmios em dinheiro ou brindes. E quando eu falo brindes, não estou me referindo às lembrancinhas que todo mundo ganha em festas de crianças. É sempre um celular de última geração ou um carro do ano.

E depois de sair do programa, por um ano você ainda fica se utilizando da marca de ex-BBB. Isso garante uma boa grana com publicidade, seja com televisão ou redes sociais.

Apesar de todas essas incoerências, o programa é um sucesso. No gênero do entretenimento isso acontece quando quem produz a atração consegue colocar o espectador num dilema do tipo “o que eu faria se estivesse no lugar desse cara?”

No Big Brother Brasil, ninguém é obrigado a trabalhar. A única coisa que você precisa fazer é articular para se manter no jogo.  Escolher suas alianças, decidir com quem você almoça e escolher seus “inimigos”. Fora do BBB, todo mundo faz isso no trabalho ou na vida, em maior ou menor grau. Talvez acompanhar esse xadrez social seja o que garanta o êxito do programa. O BBB também consegue levantar temas sociais importantes, como racismo e machismo. É o chamado “merchandising social”,as novelas fazem a mesma coisa.

As novelas já tiveram algumas vezes personagens cadeirantes, é verdade que as histórias que envolvem os personagens com deficiência são bem fracas. Sempre passam a novela inteira lutando para se reabilitar e terminar a novela com um final feliz. E esses “finais felizes” geralmente são terminar a novela andando. E esse final só é possível porque os atores que interpretam os personagens na imensa maioria das vezes não são, de fato, pessoas com deficiência.

O BBB nunca teve um participante que fosse uma pessoa com deficiência permanente. Na edição atual, um participante quebrou a perna durante o programa. Durante o tempo em que ele foi obrigado a andar de muletas, as provas foram adaptadas para que ele pudesse realizá-las.

A participação de uma pessoa com alguma restrição de mobilidade acabou acontecendo meio “sem querer”.

Se depender do diretor do programa, Boninho, nunca haverá a “participação fixa” de  uma pessoa com deficiência. “A casa do BBB não está preparada para receber pessoas especiais”, disse o diretor do programa quando foi questionado por um seguidor, que era cadeirante, sobre a possibilidade de participar do programa.

O banheiro da casa do ‘BBB21’. Foto: Fábio Rocha/Globo

Só o formato da piscina da casa do Big Brother Brasil mudou pelo menos umas três, quatro vezes.  Cada vez que o programa vai começar, o apresentador faz um tour pela casa mostrando as reformas que foram feitas para a nova temporada do programa.

A piscina na casa do ‘BBB21. Foto: Fábio Rocha/Globo

Será que nunca ninguém pensou em fazer uma casa adaptada?

Não sou ingênuo. Não é factível pensar que alguém faria isso sem algum motivo. Então eu pergunto: o banheiro da casa, por exemplo, não poderia ser adaptado? Não facilitaria a vida de um participante que quebrasse a perna, por exemplo, como acabou acontecendo?

Também não quero que ninguém faça isso à toa. Quanto será que  uma empresa pagaria para fazer a automação da “casa mais vigiada do Brasil”, tornando-a mais acessível para pessoas com deficiência?

Sou uma pessoa com deficiência e me incomoda ter que ficar “encontrando bons motivos” para justificar a minha presença nos espaços.

Por que pessoas com deficiência devem estudar em classes regulares? Por que os comerciantes precisam levar em consideração a acessibilidade na hora de construir seus comércios?

Passar anos precisando lembrar as pessoas de obviedades bestas é cansativo. Direitos não devem ser justificados.

Errata:

Houve uma participante atleta paralímpica no BBB17, Marinalva de Almeida, que utilizava uma prótese em um das pernas. A presença dela é uma prova de que pessoas com deficiência podem, sim, participar do programa sem que isso altere sua dinâmica. Para discutir acessibilidade, seria de grande valia a presença de surdos, cadeirantes, cegos.

*Raphael Preto Pereira é jornalista, tem 26 anos. Foi estagiário no Instituto Alana e já colaborou com a Folha de S.Paulo e com o UOL, sempre cobrindo educação e direitos humanos. Entre 2013 e 2019,  foi correspondente da Agência Mural de Jornalismo das Periferias. Também colaborou com o Portal Lunetas.

Veja também:

Cadeirantes e pessoas com deficiência vão ter que esperar sentados pela vacinação

BBB: crianças e adolescentes podem assistir?

Menino Maluquinho, de Ziraldo, agora tem amiguinho com síndrome de Down

 




Compartilhe a matéria

Tags: , , , , , , ,