O Portal
da Vida em Família
30/10/2020

A Vida Eterna e a Unidade das Religiões

Por Luis Henrique Beust, mestre em desenvolvimento social e consultor em desenvolvimento humano e social junto à ONU

 

No seu magistral Memórias Póstumas de Brás Cubas, Machado de Assis (1839-1908) tece considerações de como enquanto a vida é teatro cheio de fantasia e disfarce, na morte a alma é plena de sinceridade e franqueza. Enquanto a vida obriga todos a calar e disfarçar o que são,

na morte, que diferença! Que desabafo! Que liberdade! Como a gente pode sacudir
 fora a capa, deitar ao fosso as lentejoulas, despregar-se, despintar-se, desafeitar-se,
 confessar lisamente o que foi e o que deixou de ser!

Tocando também o tema da morte, Machado, em o Quincas Borba, encerra a vida de Rubião, seu personagem central, com a pujante frase que anuncia o óbito:

A cara ficou séria, porque a morte é séria; […]

Estas duas citações nos bastem, por ora, para algumas reflexões sobre a morte. É bem verdade que a morte extrai tanto do falecido quanto dos que o velam uma sinceridade absoluta. Todas as máscaras caem quando não há mais chance de seguir o teatro da vida. A morte, séria como só, impõe-se aos homens seriamente, e cessam os risos, a galhofa, o baile e o engano.

No entanto, apesar deste chamado à Verdade e dessa seriedade imposta aos vivos e aos mortos, e a despeito de ser a morte a única certeza da vida (dizem que também os impostos), a maioria das pessoas lida com ela de forma desajeitada, temerosa e insegura.

No início do século XX, Sigmund Freud (1856-1939) já apontava que um dos traços marcantes de nosso psiquismo é a negação da morte, mas ao mesmo tempo afirmava que a morte é “o objetivo de toda a vida”. Há duas formas básicas de se encarar a morte: 1) como o derradeiro fim da existência e 2) como uma passagem para uma nova existência, em um plano mais elevado e feliz.

A morte como fim definitivo de toda a vida é um postulado inevitável de toda postura materialista em relação à existência, enquanto as correntes espiritualistas todas afirmam a continuidade da vida após a morte, de uma forma ou de outra. Para as religiões mundiais e filosofias espiritualistas, a morte é apensa uma passagem de um plano para outro mais elevado, assim como o próprio nascimento físico, que retira o bebê do ventre e lhe oferece o mundo.

No capítulo XXXVII do Dom Casmurro, Machado de Assis afirma várias vezes: “a alma é cheia de mistérios”. Quem poderia dizer melhor? E, entre os mistérios dos quais é cheia, um se torna reluzente nos textos sagrados das religiões mundiais reveladas: a alma é imortal. A morte do corpo representa apenas a libertação da alma — que, como Deus, é espírito —1 para seguir sua existência nos infinitos mundos espirituais.

É uma lástima que mesmo pessoas espiritualizadas não tenham certeza da vida eterna, pois a falta desta certeza traz sofrimento que poderia ser dispensado. É apenas a ignorância que nos afasta da certeza da vida eterna. A sobrevivência da consciência, do nosso eu, após a morte física é uma das mais constantes afirmações das grandes tradições espirituais do mundo, como se verá abaixo, e encontra expressões afirmativas belíssimas em todas as sagradas escrituras das grandes religiões mundiais.

Não há desculpa para que não tenhamos conhecimento disso numa era em que a maioria destes textos sagrados já possuem traduções para as línguas ocidentais. E as perspectivas que este conhecimento traz são maravilhosas, indescritíveis. Poucas coisas na vida podem dar mais gosto e significado à própria vida do que a certeza da vida eterna. Ela é o pilar forte onde se apoia toda a aquisição de virtudes e todo o afastamento do mal. É a maior fonte de consolo para os revezes e perdas da vida. É o maior remédio contra a aflição e a dor da morte de quem amamos.

Além disso, no campo da Ciência, as ocorrências registradas de experiências de quase-morte, por centenas de pessoas, apontam para o mesmo fato: existe a permanência da consciência e da identidade quando o corpo morre. Pessoas clinicamente mortas, quando são ressuscitadas, relatam acontecimentos que somente poderiam conhecer se estivessem vendo o que se passou enquanto estavam no mundo do além, muitas vezes ocorrências em outros lugares que não o hospital ou o local onde se encontravam.

Os estudos da Dra. Kübler-Ross foram pioneiros neste campo, e hoje encontram-se vários autores, na maioria médicos, que exploram este fenômeno, como os Drs. Raymond Moody, Eben Alexander, Wayne W. Dyer e Mary C. Neal, com obras interessantes também de Bob Olson, Leslie Kean, Lisa Smartt e Michael Newton. É claro que estas pesquisas e relatos não deixaram de ter antagonistas e incrédulos, mas incontestavelmente elas nos trazem evidências da continuidade da vida após a morte do corpo provindas de outras fontes que não as Escrituras Sagradas das religiões mundiais.

Há um graciosa fábula que circula na internet sobre um hipotético diálogo entre dois bebês gêmeos ainda no ventre de sua mãe. Um deles acredita na vida após o parto, e o outro é descrente. Eu havia colocado, na versão inicial deste documento, apenas duas frases, uma de cada um dos bebês. O texto era assim:

Dizem que dois bebês gêmeos, dentro do ventre da mãe, conversavam. Um perguntou ao outro: “Você acredita na vida após o parto?”. O outro respondeu; “Eu não! Nunca ninguém voltou para afirmar que existe!”2

Na verdade, o texto é uma corruptela de um conto bem mais amplo intituladoChico y Chica, ou Boy and Girl (porque, no original, um bebê era menino e o outro, menina), do autor bilíngue (espanhol e inglês) Pablo J. Luis Molinero,3 escrito em 1980.45

De qualquer forma, a fábula é divertida e instrutiva, e vale a pena que se a leia (mesmo a versão abreviada e “corrompida”). Mas a versão integral assim conta:6

No ventre de uma mãe havia dois bebês. Um perguntou ao outro: — Você acredita em vida após o parto?
O outro respondeu:
— Sim, claro! Tem que haver algo após o parto. Talvez estejamos aqui para nos preparar para o que virá mais tarde.
— Bobagem — disse o primeiro — Não há vida após o parto. Que tipo de vida seria essa?

O segundo disse,
— Eu não sei, mas haverá mais luz do que aqui. Talvez possamos andar com as nossas pernas e comer com nossas bocas. Talvez tenhamos outros sentidos que não podemos entender agora.

O primeiro respondeu:
— Isso é um absurdo. Andar é impossível… E comer com a boca? Ridículo! O cordão umbilical nos fornece nutrição e tudo o que precisamos. E como o cordão umbilical é muito curto, a vida após o parto é uma impossibilidade lógica.

O segundo insistiu:
— Bem, eu acho que há algo lá fora, e talvez seja diferente daqui. Talvez a gente não vá mais precisar mais deste cordão umbilical.

O primeiro respondeu:
— Tolice. Além do mais, se há mesmo vida após o parto, então por que ninguém jamais voltou de lá? O parto é o fim da vida, e no pós-parto não há nada além de escuridão e silêncio e esquecimento. O parto não nos leva a lugar nenhum.
— Bem, eu não sei —, disse o segundo —, mas certamente vamos encontrar a Mãe e ela cuidará de nós.

O primeiro deu um salto e respondeu:
— Mãe? Você realmente acredita em Mãe? Isso é ridículo. Se Mãe existe, então onde ela está agora?

O segundo disse:
— Ela está ao nosso redor. Estamos cercados por Ela. Nós somos d’Ela. É n’Ela que vivemos. Sem ela este mundo não seria e não poderia existir.

Disse o primeiro:
— Bem, eu não A posso ver, então é lógico que Ela não existe.

Ao que o segundo respondeu:
— Às vezes, quando estamos em silêncio, se você se concentrar e realmente escutar com muita atenção, você poderá perceber a presença d’Ela. Acho que poderá ouvir a suave e amável voz d’Ela chamando-nos lá de cima…

É claro que uma fábula não logra explicar o imenso mistério da morte e da vida espiritual após a vida do corpo, mas é muito feliz em demonstrar como é fácil negar aquilo que está além de nossa compreensão. No final das contas, como tudo o mais relacionado à vida espiritual, desde a existência de Deus até a existência das Leis espirituais como o Amor, a Justiça e a Caridade,7 é necessário um salto do pensamento no vazio, com a confiança de segurar, depois do temeroso percurso pelo nada, o trapézio seguro e forte da Fé.

Que os textos que se seguem, sagrados para bilhões de seres humanos há milênios, possam plantar a semente da certeza de que os homens foram criados para serem eternos, e que a vida neste mundo inferior é apenas um preâmbulo para uma vida em mundos espirituais onde a dor, o sofrimento, o tempo e o espaço não existem, e onde a luz de Deus habita.

Cada um dos textos oferece uma faceta de luz sobre a eternidade da alma que “é cheia de mistérios”. Porém, se avançarmos com mente firme e fé inquebrantável, nos bastariam as palavras de Jesus, na cruz, ao bom ladrão: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso”. 89 A língua de Jesus jamais mentiu, muito menos mentiria num momento tão trágico, ante a morte do ladrão e a Sua própria. Com certeza nos bastariam estas palavras para afugentar toda dúvida e angústia sobre a continuidade da existência depois da morte do corpo.

Muito se poderia dizer a respeito das condições e características da vida após a morte, mas não é este o objetivo deste breve texto. Quiçá em outra ocasião isso se viabilize.

 

A Certeza da Vida Eterna

 

Textos das Escrituras Sagradas da Humanidade

 

Hinduísmo (Krishna. Há 5.000 anos, Índia)

“Assim como o ourives toma o ouro e o reduz a outra forma nova e mais bela, da mesma forma a Alma10 quando separada do corpo, se converte em outra forma mais bela e nova.”11

Judaísmo (Moisés. Há 3.400 anos, Egito-Palestina)

“… e o pó volte à terra, de onde veio, e o espírito volte a Deus, que o deu.”12

“Deus criou o homem para a incorruptibilidade e o fez imagem de sua própria natureza. […] A vida dos justos está nas mãos de Deus, nenhum tormento os atingirá. Aos olhos dos insensatos pareceram morrer; sua partida foi tida como uma desgraça, sua viagem para longe de nós como um aniquilamento, mas eles estão em paz. Aos olhos humanos pareciam cumprir uma pena, mas sua esperança estava cheia de imortalidade.”13

“Ainda que eu caminhe pelo vale das sombras da morte nenhum mal temerei; pois estás junto a mim… Sim, felicidade e amor me seguirão todos os dias da minha vida; minha morada é a casa do Senhor por dias sem fim.”14

Zoroastrismo (Zoroastro.15 Há 2.600 anos, Pérsia)

“Quem, como fiel, proclama Meus preceitos verazes de incorruptibilidade, retidão e imortalidade, receberá o melhor quinhão. 16

“Cada um deve preparar no mundo material, e dele carregar consigo, as coisas necessárias para o mundo espiritual, para que a alma não sofra.”17

Budismo (Buda. Há 2.500 anos, Nepal-Índia)

“Existe um Ser que não foi gerado, que não teve origem, que não foi criado, que não foi formado. Se Ele não existisse, então não seria possível escapar do mundo que foi gerado, que teve origem, que foi criado, que foi formado.

“Mas como existe um Ser que não foi gerado, que não teve origem, que não foi criado, que não foi formado, por isso é possível escapar do mundo que foi gerado, que teve origem, que foi criado, que foi formado.”1819

Cristianismo (Jesus Cristo, há 2.000 anos, Palestina)

“Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso”.2021

“Não olhamos para as coisas que se veem, mas para as que não se veem; pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno. Sabemos, com efeito, que, se a nossa morada terrestre, esta tenda, for destruída, teremos no céu um edifício, obra de Deus, morada eterna, não feita por mãos humanas.

“Por conseguinte, estamos sempre confiantes, pois sabemos que, enquanto habitamos neste corpo, estamos fora da nossa mansão, longe do Senhor, pois caminhamos pela fé, não pela visão… Sim, e estamos cheios de confiança, e preferimos deixar a mansão deste corpo para ir morar junto do Senhor.22

“E havendo aberto o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que foram mortos por amor da palavra de Deus e por amor do testemunho que deram.”2324

Islamismo (Muhammad.25 Há 1.400 anos, Arábia)

“E o que é a vida terrena senão diversão e jogo? Certamente a morada no outro mundo é a verdadeira vida, se apenas o soubessem!”26

“Ó meu povo! Sabei que a vida na terra é um gozo efêmero e a outra vida é a morada eterna. Quem cometer iniquidade será pago na mesma moeda; por outro lado, aqueles que praticam o bem, sendo crentes, homens ou mulheres, entrarão no Paraíso onde serão agraciados incomensuravelmente.”27

Fé Bahá’í (Bahá’u’lláh. Há 174 anos, Pérsia-Palestina)

“Ó Filho do Supremo! Fiz da morte a mensageira de teu júbilo. Por que lamentas? A luz, Eu a fiz derramar sobre ti o seu esplendor. Por que te ocultas diante deste esplendor?” 28

“Ó Meus servos! Não vos entristeçais se, nestes dias e neste plano terreno, coisas contrárias aos vossos desejos tiverem sido ordenadas e manifestadas por Deus, pois seguramente vos esperam dias de extasiante felicidade, de deleite celestial.

“Mundos santos, espiritualmente gloriosos, se desvendarão diante de vossos olhos. Sois destinados por Ele, neste mundo e no vindouro, a participar de seus benefícios, a obter um quinhão de suas alegrias e receber uma porção de sua graça sustentadora. A cada um deles, indubitavelmente, atingireis.”29

“Tu haverás de reter tua individualidade, e não serás fundido em um vasto espírito. No que tange à condição da alma humana depois de sua ascensão do mundo material: a essência da alma humana é purgada das substâncias materiais e purificada da corporeidade das coisas físicas. Ela é exclusivamente luminosa; não tem corpo; é um ofuscante feixe de luz; é um orbe celestial de esplendor.”30

FIM

1 João 4:24: “Deus é espírito”.

2 Recentemente a amiga Tamires de Oliveira Pereira Campos me fez recordar que o texto é bem mais longo do que isso. O texto circula na internet como sendo de um “autor desconhecido”, ou de um “autor húngaro de nome Útmutató a Léleknek”. Como são as coisas na internet! Útmutató a Léleknekquer dizer, em húngaro, Guia para a Alma. Não se trata, portanto, do nome do autor, mas do título dado ao texto.

3 Vide: https://pablomolinerodotcom.files.wordpress.com/2014/08/errores-versic3b3n-plagiada-en-la- red.pdfide.

4 Publicado pela primeira vez na Revista da SUBUD International Cultural Association (no 2 da edição na Espanha), e incluído em seu livro Morfonegia (Morphogeny).

5 O autor comenta que cinco pessoas, entre elas sacerdotes, pastores de igrejas, dirigentes de grupos filosóficos ou esotéricos e um estudante universitário, assumiram a autoria do texto abreviado, ocultando sua verdadeira origem.

6 Em seu site www.pablomolinero.com/escritos/morfogenia é possível encontrar a versão integral do conto. O autor também cuida de apontar os erros e equívocos que a forma reduzida do conto apresenta quando comparada com a versão integral. Isso pode ser lido em espanhol e inglês.

7 Ao longo dos últimos 35 anos tenho trabalhado com uma lista de 61 Leis espirituais, também chamadas de Virtudes, ou Valores Humanos, sem as quais a vida humana se faz pequena, bruta e ignóbil. Leis como a Perseverança, a Veracidade, a Fidedignidade, a Compaixão e o Perdão são o que eleva o mundo humano acima do nível animal.

8 Lucas 23:43.

9 Palavras de Jesus ao “bom ladrão”, crucificado ao Seu lado. Jesus sabia que iria morrer, assim como o ladrão. E Ele, cuja boca jamais pronunciou uma palavra falsa, que era Porta-Voz de Deus entre os homens, jamais afirmaria que haveria o encontro dos dois nos mundos espirituais de Deus (o “Paraíso”) se isso não fosse uma verdade incontestável.

10 Atman.

11 Upanishad Brihad-Áranyaka. Apud. Campbell, p. 40.

12 Eclesiastes 12:7.

13 Sabedoria, 2:23; 3:1-4.

14 Salmos, 23:4-6.
15 No Ocidente, mais conhecido como Zarathustra, devido à obra de Nietzsche “Assim Falou Zarathustra”.

16 Yasna, 31:6.

17 Banam-i-Izad. Apud. Masani, p.72.

18 Satipatthãna Sutta. Apud Novak, p.75-6.

19 É interessante que alguns dizem que o budismo é uma religião sem Deus. É óbvio, pelo texto citado, que Buda claramente falou de um Ser Superior indescritível, ainda que não tenha usado a palavra “Deus”.

20 Lucas 23:43.

21 Palavras de Jesus ao “bom ladrão”, crucificado ao Seu lado. Jesus sabia que iria morrer, assim como o ladrão. E Ele, cuja boca jamais pronunciou uma palavra falsa, que era Porta-Voz de Deus entre os homens, jamais afirmaria que haveria o encontro dos dois nos mundos espirituais de Deus (o “Paraíso”) se isso não fosse uma verdade incontestável.

22 II Coríntios, 4:18; 5:1;6;8.

23 Apocalipse 6:9.

24 No Apocalipse, São João tem uma visão da vida eterna e lá vê as almas dos fiéis, na eternidade.25 Preferimos redigir Muhammad ao invés de Maomé, pois os muçulmanos assim o preferem.

26 Alcorão, 29:64.

27 Alcorão, 40:39-40.

28 Bahá’u’lláh. As Palavras Ocultas, no 32, do árabe.

29 Bahá’u’lláh. Seleção dos Escritos de Bahá’u’lláh, CLIII.

30 ‘Abdu’l-Bahá. The Eternal Quest for God, 218. A tradução é nossa.

page6image20096

BIBLIOGRAFIA:

ALCORÃO SAGRADO [1975]. Versão portuguesa diretamente do árabe por Samir El Hayek. São Paulo: Tangará, 1975.

BAHÁ’U’LLÁH [1974]. As Palavras Ocultas. Tradução de Leonora Stirling Armstrong. Rio de Janeiro: Bahá’í do Brasil, 1974.

[1977]. Seleção dos Escritos de Bahá’u’lláh. Tradução de Leonora Stirling Armstrong. Rio de Janeiro: Bahá’í do Brasil, 1977.

BÍBLIA. New Revised Standard Version. Em inglês: https://www.biblegateway.com/. 12/3/15BÍBLIA [2009]. Tradução de João Ferreira de Almeida, Revista e Corrigida (ARC, 2009). Em:

https://www.biblegateway.com/. 12/3/15
BÍBLIA [2013]. Tradução de João Ferreira de Almeida, Século XXI. Terceira edição, 2013,

reimpressão 2017. São Paulo: Vida Nova, 2013.

BAHÁ’U’LLÁH [1974]. As Palavras Ocultas. Tradução de Leonora Stirling Armstrong. Rio de Janeiro: Bahá’í do Brasil, 1974.

__________________ [1977]. Seleção dos Escritos de Bahá’u’lláh. Tradução de Leonora Stirling Armstrong. Rio de Janeiro: Bahá’í do Brasil, 1977.

page7image8776page7image8936page7image9096